The New Regionalism

Allan Wallis

In her book, search Medieval People, cheap Eileen Powers describes the everyday lives of individuals living in the Middle Ages. She begins her study by asking the deceptively simple question, medications how did people know they were medieval? Clearly, they could not open the morning paper or turn on the evening news and read: “Rome Falls: Middle Ages Begin!” Often, momentous transformations fail our perception, in part, because we try to frame them in our old ways of seeing.

Bruce Katz, of the Brooking Institution observes that today we live our lives regionally. We live in one community, work in another, shop in still others–where the price or selection is right, and cheer for a “home” team that is twenty-five miles away. Yet we continue to identify ourselves locally, focusing on how different we are from our near neighbors. We are trying to frame the new in term of the old, and our resulting actions are producing failure.

Bill Fulton, author of Reluctant Metropolis, about the Los Angeles area, analyzes that region’s failure to come to terms with its reality. If metro-LA were an independent nation it would have the sixth largest economy in the world, and if it were an independent nation people would have no difficulty identifying with it. Meanwhile, LA continues to tear itself apart from inside.

But not all regions suffer the same paralysis. Around the world–in developed as well as in developing countries, in metropolitan as well as in rural areas–there is an extraordinary amount of innovation directed toward the challenges of creating effective regions.

* In England, a little more than two years ago, British Prime Minister Tony Blair expanded the boundaries of the historic City of London–an area of about one square mile–to encompass the entire region. His action simultaneously created the post of mayor, which has the potential of becoming the second most powerful position in the nation.
* In the Netherlands, at about the same time, Parliament past legislation establishing new regional governments with sweeping powers. As part of that action, a proposal to dissolve the City of Rotterdam–the world’s busiest port–and restructure the region into municipalities of equal size is seriously being considered.
* In the metro region of Denver, Colorado, county and municipal governments have joined together in a voluntary compact to establish an urban growth boundary.
* In the Silicon Valley area of California, a private industry group led development of a regional vision and plan, and has been tracking progress toward its implementation through annual benchmark reports.

All of these examples speak to the emergence of a powerful regional consciousness driving a wide variety of efforts to invent a new capacity for governing regions.

The New System of Regions

The motivating force behind the renewed interest in regionalism is emerging from several sources. First, globalization of the economy. Syndicated columnist Neal Pierce and his colleagues at the Citistates Group observe that the end of the Cold War had the effect of accelerating the globalization of a post-industrial economy. International trade agreements like NAFTA, and the development of a European Community all demonstrate reduced economic competitiveness on a country-by-country basis, and increased competitiveness on a region-by-region basis.

A second challenge consists of achieving sustainable development. Around the world, population pressures are pushing against environmental capacity. Increasingly, we are trying to balance economic growth, with environmental preservation and social equity. Part of the solution requires acting regionally. After all, water basins, air shed, and commuter shed are all regions.

Finally, the US and several other countries are undergoing a devolution revolution. More of the policy making and service delivery functions mandated by federal and state governments are being directed to the local level. Many of these–transportation, air and water quality planning, and an increasing amount of social services planning–are required to be carried out at on a regional basis. Others are becoming regional on a voluntary basis.

In short, we are seeing the rapid emergence of a global system of regions. As Pierce and his colleagues interpret it, a return to citi-states.

The Regional System: What’s new about the “new regionalism”?

These challenges are not transitory. They mark a major shift in the environment in which all sectors–public, private and nonprofit operate–and they call for invention of a new regional system.

Several scholars have begun to use the phrase “the new regionalism.” They mean to contrast current experiments with the old regionalism, which generally refers to a varied body of theory and practice spanning the period from the 1880’s to the 1980s. But what’s new about this new regionalism? Let me briefly describe a set of six contrasting characteristics that I believe help define and distinguish it from the old regionalism.

Governance vs. government. First, the old regionalism was basically about government, specifically about how to insert a new layer in the hierarchy of state-local relations. By contrast, the new regionalism is about governance; that is, establishing vision and goals, and setting policy to achieve them.

The work of governance involves private, nonprofit and public interests. Moreover, it’s not always the public sector that invites the other sectors in. Sometimes it’s the private sector, as in the case of the Silicon Valley in California, that takes the lead. In other cases it’s the nonprofit sector, as in Cleveland, Ohio, that initiates the regional policy dialog.

Emphasis on governance recognizes that ensuring the future quality of life and competitiveness of a region is a shared responsibility of all sectors. Moreover, it requires the shared powers and talents of these sectors working strategically to affect change.

Process vs. structure. The emphasis on governance suggests another characteristic of the new regionalism, it focuses significantly on process rather than on structure. The old regionalism spent a great deal of time looking at structural alternatives such as city/county consolidations, creation of urban counties, the formation of special purpose and multi-purpose authorities, etc. The new regionalism sometimes elects a structural alternative as a strategy for achieving an objective, but its main focus is on processes such as visioning, strategic planning, resolving conflict and building consensus.

In referring to the process-orientation of the new regionalism, it is important to distinguish this from the proceduralism of the old regionalism. The old regionalism used procedures as the pathway through structure. The new regionalism uses process as an alternative to structure and, at times, as a mechanism for creating structure.

Open vs. Closed. The old regionalism was concerned with defining boundaries and jurisdictions. It wanted to clearly demarcate the region in terms of boundaries for growth, service delivery, job markets, pollution sheds, and the like. The region was, in effect, closed. You were either in it, or outside of it.

The new regionalism accepts that boundaries are open, fuzzy or elastic. What defines the extent of the region varies with the issue we’re trying to address or the characteristic we are considering. The fuzziness of boundaries makes it easier to put together the type of cross-sectoral governing coalitions mentioned previously.

Collaboration vs. coordination. The old regionalism focused on coordination including land use, infrastructure development, services, and the like. Coordination typically implied hierarchy; for example, a regional authority with powers to determine the allocation of resources to units of government within its boundaries.

By contrast, the new regionalism focuses on collaboration and voluntary agreement among equals. Collaboration abhors a hierarchy, because that suggests that someone, or some position, is in control. Collaboration thrives when parties to it see each other as distinct yet equal.

Trust vs. Accountability. The old regionalism’s emphasis on coordination was often accompanied by demand for accountability. We are fearful of the accumulation of power, especially in the public sector, so we try to keep it in check through procedures of accountability. More often than not, accountability results in inflexibility.

Rather than accountability, we are now more inclined to talk about trust as a binding element in relations among regional interests. Part of the discussion about trust relates to the idea of employing regional social capital and civic infrastructure. These seem like very odd terms if we are thinking in the context of the old regionalism, but they are essential to ways of doing business under the new regionalism.

Empowerment vs. Power. The old regionalism was perceived as drawing its powers from units of government above and below it. If effect, power was viewed as a zero-sum game, so the power to govern had to be taken from somewhere. Local jurisdictions often felt threatened that their powers would be diminished.

The new regionalism gains power by empowering. In many places, part of this empowerment is directed toward neighborhoods and communities, with the objective of getting them constructively engaged in regional decision making. Empowerment also consists of engaging nonprofits and for-profits in governance decisions that were once treated as the domain of the public sector alone. Rather than assuming a zero-sum game, employing empowerment is based on the assumption that new interests bring new energy, authority, and credibility; in short, it grows power or capacity in order to move a regional agenda.

These combine characteristics describe two different types of systems. The old regionalism is a system that can be characterized as a hierarchy. It models itself after the vertically integrated corporation that attempts to dominate a market by incorporating all of the means of production and distribution associated with its product line. In the corporate world, the hierarchical model is General Motors that tries to own its parts manufacturing and sales enterprises.

The new regionalism is a network-based system. Its center shifts to accommodate different tasks. Likewise, its membership expands to achieve necessary capacity, but shrinks when that capacity is no longer needed. In the corporate world, the network model is Wal-Mart, with a just-in-time relationship with its suppliers.

It’s important to stress that the system that I’ve called the new regionalism does not require dismantling the old regionalism. The old regionalism continues to offer important solutions to significant problems. Rather, the new regionalism is most centrally a response to a new set of problems that the old regionalism was either not aware of, or was not designed to address.

Inventing Regionalism

I want to focus a little more on some of the kinds of efforts that characterize the new regionalism. As I do this, you will see application of many of the system characteristics that I’ve already described.

Visioning. An important activity that often forms part of the new regionalism, is an attempt to define a vision. Normally we think of an established organization trying to articulate a vision as a way to mobilize resources in new directions. Marshall McLuhan tells the story of IBM in the early 1960’s. It had been a company making typewriters, adding machines and the like. It was only when IBM realized that it was in the business of processing information that it could plot a clear course.

Most of the visioning being done in regions is not about setting a new course (e.g., revising a comprehensive plan), but about establishing an initial identity and direction. In 1990, a newly formed group, Silicon Valley Inc., brought the key stakeholders of the San Jose Region of California together to talk about how to make their community a more effective setting for attracting and maintaining computer-associated manufacturing. The process of forming the vision was integral to making the region real, that is, making it a collective entity capable of creating and implementing policy choices.

Benchmarks and indicators. Many regions have developed benchmarking projects. For example, the Citizens League of Greater Cleveland has a benchmarking project comparing the performance of its region with a group of peer regions. A key objective of the project is to stimulate greater regional action as the result of showing people how their region as a whole rates along side others. These benchmarks have simulated diverse interests in the region to begin to think about how they can make themselves more competitive by acting more collaboratively.

In a similar way, the rural and resort area that runs along the spine of California’s Sierra Nevada Mountains, has developed a benchmarking projected called the Sierra Wealth Index. Again, a principal objective was to foster regional identity and mobilization by showing characteristics of the region’s economy, environment and social structure.

These benchmarking projects precede and can operate independent of a vision. But many regions have used benchmarks as a way of demonstrating that they are making progress toward realizing their visions and its goals. The Silicon Valley vision, mentioned previously, was followed by an indicators project that has been repeated every year for almost a decade now. The indicator report reminds people that there is a vision and that work is being done to realize it.

Media/civic journalism. Another way that regional awareness is being developed and shaped is by the media. Regional reporting has become part of the new civic journalism, providing stories that convey news across the region, but also developing a shared sense of regional assets and challenges. For example, the Miami Herald published a story recently on racial and ethnic relations in that region. It was based on a survey and focus groups conducted by the paper.

For almost twenty years now, the syndicated journalist Neal Pierce has been publishing reports on regions that are sponsored by and appear in the newspaper of that region. The Pierce Reports are designed to raise awareness of regional issues as well as to suggest solutions.

In addition to this kind of reporting, some of the most powerful–though unintentional–ways that the media conveys a sense of regionalism is in the images it provides as part of the evening weather forecast or the morning traffic report. We may be glad that we don’t have to commute on a particular freeway, but we nevertheless know that traffic there is part of life in our region.

Leadership development. One of the resources often lacking in regions is a corps of leaders who are willing to be advocates and champions for regional issues. Collaborative Economics, a research and training organization in Palo Alto, California has used the term “civic entrepreneurs” to describe such people. Others have referred to them as boundary-crossers. However you describe them, they serve the same role; to build bridges across sectors and jurisdictions in order to help unify a region. Many regions have developed training programs to try to grow new leaders capable of addressing regional problems.

I’ve already mentioned the idea of vision, so it’s important to stress with regard to regional leadership that such individuals are typically not the creators of a vision. Rather, they work collaboratively to facilitate a shared vision among stakeholders of a region.

Network formation and growing social capital. The new regionalism is highly dependent on formal and informal networks of social interaction. Research by political scientists, such as Robert Putnam at Harvard, conclude that regions rich in such networks are in a better position to identify opportunities and mobilize resources to advance themselves. Putnam calls these networks “social capital.”

One of the things that many regions are trying to do, often in connection with leadership development, is to grow more social capital by expanding existing networks and creating new ones. Many US cities have leadership training programs that focus on a specific city, but there are still relatively few that have an explicit regional focus. Nevertheless, they are emerging and becoming a little more common.

One form that these new networks are taking is as regional civic organizations. These are nonprofits that draw membership from the public, private and nonprofit sectors. Their goal is to foster regional awareness and action.

Collaboration and Conflict Resolution. A final area that I want to mention, one where a good deal of innovation is taking place, is around building skills of collaboration and conflict resolution. The Greenbelt Alliance in the Bay area has been working with individual communities to achieve the collective development of a greenbelt. In Denver, county and municipal governments have signed on to implementing a voluntary growth boundary.

In several regions collaboration has taken a form that some business analysts have described a “coop-etition”. That is a situation where the jurisdictions in a region collaborate on selected activities, but compete on others. An example of this, again from Denver, is the Denver Network. This initiative, supported by all of the region’s chambers of commerce, involves marketing to region as a whole to out-of-state prospects. Once strong interest is expressed by a firm in locating there, individual communities are free to compete to get it for themselves.

In addition to such collaborative efforts, many regions have developed a conflict resolution capacity in order to reduce inter-jurisdictional disputes. Such disputes can paralyze a region, making it impossible to provide affordable housing, site landfills, or widening roads. Developing skills of collaborative leadership and conflict resolution are important, if not essential, in overcoming this paralysis, as well as in implementing a shared vision. Although these are skills that one would ideally like to find in, or train regional leaders to have, they are needed by more than leaders. Ciizens of the region also have to adopt an ethic of collaboration.

These kinds of activities or initiatives are increasingly common in US regions. Most of the time they are initiated independently, often by separate organizations, but the regions which appear to benefits most from them try to sequence such activities so as to developed increasing regional awareness and mobilization.

Regional Capacities

Every region is going about the process of responding to challenges focused on a regional-scale in somewhat different and unique ways. One reason for the diversity of approaches is that the needs fostering regionalism differ from place-to-place. Some places are struggling to transform an old economy into a new one (e.g., Pittsburgh); other places are too new to ever have had an old economy (e.g., Las Vegas). In some places a threat to the natural environment (water pollution) or a threat from the natural environment (hurricanes) is the motivating factor.

It’s important to recognize that it is not needs per se that motivate regional action, but the perception of need. There are many regions that face significant environmental threats, but these threats are not mobilizing. Something like the threat of a declining economy can serve as a clarion call to action in one region, but only stimulates internal fragmentation in another region.

The approach taken by regions can also vary based on the degree to which residents of a region identify with it and perceive themselves to be citizens of a region. Distinguishing geographic features and natural boundaries can help foster regional identity. A common economy, a distinct cuisine, dialects, customs, a unique architectural style, a winning national sports franchise, and the like can all be elements fostering identity and citizenship.

We can think of the combination of perceived regional needs and identity as being strong or weak along a continuum. Residents who not only identify with the region, but who have developed a commitment of stewardship will characterize a region with strong identity. They will be concerned about preserving its physical environment and those aspects of its quality of life that are uniquely associated with the region

Beyond differences in motivating needs and strength of identity, regions vary in terms of capacity. For example, a region that already has a strong tradition of environmental stewardship will find it easier to form a regional response to an environmental threat than one where no such capacity has been developed.

An important part of regional capacity, that we have only recently come to appreciate, is the idea of social capital that I mentioned previously. This consists of the formal and informal networks of communication among individuals and interest groups comprising a region. Shared values and trust among participants further define such networks.

We can also think of capacity as forming a continuum from strong to weak. Strong capacity consists of the ability to identity threats, as well as opportunities, and to mobile resources to move a regional in a positive direction. Capacity includes such things as being able to perform technical analysis, institution in which people have trust and who are able to work with one another, and leadership which is regionally and not just locally focused.

Path Dependency

Economic historians observe that the way organizations, as well as nations, respond to a challenge depends on their past experiences. The picture just painted of regional capacities can be thought of more holistically in terms of establishing pathways of action embedded, in part, in institutional capacities.

Economic historian Douglass C. North concludes, “once a development path is set on a particular course, the network externalities, the learning process of organizations, and the historically derived subjective modeling of the issues reinforce the course. In the case of economic growth, an adaptively efficient pathÉallows for a maximum of choices under uncertainty for the pursuit of various trial methods of undertaking activities, and for an efficient feedback mechanism to identify methods that are relatively inefficient and to eliminate them” (1990, p.99)

Applying North’s observation to regions, one could conclude that those regions that have developed formal and informal institutional arrangements for identifying challenges, as well as opportunities, not only act on them, but in so doing reinforce their strength as regions. Such regions will have lower costs in engaging in regional transaction because they are able to employ established capacity.

By contrast, the greatest challenge is for regions with low capacity to develop the ability to act regionally. They will have to place considerable resources into the effort, and will quite likely have to circumvent the work of some established institutions that effectively fragment the region. This is a formable task, but failure to address it may mean that such regions will fall further and further behind in the new world order that is so rapidly forming around us.

Options for Regional Integration in Southern Africa

D Evans
The Southern African Development Co-ordination Conference (SADCC) and its successor, drugs the Southern African Development Community (SADC) had a strong anti-apartheid political orientation. Initially, for sale economic co-operation was based on a sectoral approach. The Windhoek Treaty of 1992 changed the basis of economic co-operation to allow for ‘efficiency, economy and competitiveness’. This shift led to the 1996 SADC Protocol on Trade Co-operation for the creation of a Free Trade Area (FTA). At the time of writing (autumn 2000), the implementation of the SADC FTA is almost complete. Successful regional associations usually require a strong political rationale for economic benefits to be realised.*(3) It remains to be seen whether or not the original unifying forces in Southern Africa are strong enough in the post apartheid era to enable SADC to build the institutions necessary for rule based economic integration and thus realise the potential economic benefits.
>Download PDF

Principios de Integración Regional en América Latina y su análisis comparativo con la Unión Europea

Jean Pierre Leroy com a colaboração de Marcelo Achkar

I. As integrações em curso

Quais são os significados da Integração regional no contexto atual, rx recipe o de cada país, sildenafil da região e do mundo? Levando em conta os múltiplos interesses que atravessam o debate e as iniciativas em curso, aparecem várias ambigüidades e contradições que impedem de simplificar a questão.

A integração está sendo imposta no contexto econômico global que leva à abertura indiscriminada das economias locais, com a presença crescente de multinacionais, à privatização das empresas públicas e, ainda em curso, à privatização dos serviços que eram públicos, à liberdade de movimentação do capital financeiro. A integração entendida assim tende a nivelar por baixo direitos trabalhistas, sociais e ambientais dos países envolvidos e a criar um ambiente político e econômico que permite às firmas transnacionais se mover na região exclusivamente em função dos seus interesses.

Essa integração regional busca um re-ordenamento das economias locais e um tipo de integração que oscila entre a busca de um melhor posicionamento na economia global e, do outro lado, secundariamente, a formação um mercado regional. Aparecem então os interesses das principais economias da região (Brasil, Argentina) que ganham no comércio regional ao mesmo tempo em que o Mercosul lhes dá maior poder de barganha frente à economia mundial.

Ao mesmo tempo em que os Estados-nações mais sólidos economicamente buscam se fortalecer através da integração econômica, contraditoriamente, mas coerentemente, são levados, eles e os outros países da região, a abrir mão de parte da sua soberania em nome de regras e instâncias supra-nacionais, estabelecidas dentro do bloco e fora dele. Isso é coerente com o que já acontece no plano de cada país, quando os Estados cumprem o papel de facilitadores de uma economia sempre mais aberta e que dita, através dos quadros dirigentes das grandes corporações e dos seus aparelhos, os rumos do crescimento, em nome do dogma que é esta economia que vai gerar riqueza, empregos e melhorias sociais.

A integração, nesse sentido, atua em mão dupla, embora os fluxos, do “norte” para o “sul” e do sul para o norte, sejam incomparavelmente desiguais. De um lado, ela facilita o domínio das grandes corporações produtivas, comerciais e financeiras e das economias dos Estados mais fortes da região, ao permitir aos segmentos exportadores regionais ter mais força para penetrar no mercado mundial, fazendo uso das suas vantagens comparativas, e aos setores produtivos da região importar na expectativa de participar do crescimento esperado. De outro lado, ao abrir o comércio regional, colocando-o sob as regras do livre-mercado, prepara o terreno e o ambiente para a liberalização completa das economias nacionais.

Essa estratégia, bem ou mal, significa o início de uma política regional concertada, que construa uma integração não só econômica, mas também política. A integração é o embrião de um futuro poder supra-nacional que garante ao mercado as condições para a sua plena realização. A Comunidade andina de Nações – CAN (1) e o Mercosul (2) podem ser vistos nessa perspectiva. Numa cartilha que apresenta os processos em curso de integração regional (3), Fátima Mello, citando a professora Sônia Camargo (4), destaca que as políticas econômicas do Mercosul “passaram a se voltar, prioritariamente, para uma melhor adequação às exigências de competitividade impostas pelos processos de liberalização dos mercados e de sua integração global”; e comenta que, “frente à aceleração dos processos de indiscriminada liberalização e desregulamentação comercial e financeira, foi levado a converte a dinâmica sub-regional em um modelo de regionalismo aberto, visando a inserção competitiva no mercado globalizado”(5).

Várias iniciativas dos governos da região exemplificam essa relação tencionada e contraditória entre a lógica do mercado e vontades – ou veleidades – políticas. Se a resistência à proposta norte-americana de formação da Alca prevaleceu, sob a liderança do Brasil e o forte movimento popular sul-americano, o projeto dos EUA de colocar de maneira duradoura a região sob a sua dependência pela via econômica está sendo posto em ação pelo caminho de acordos bi-laterais. Os EUA esperam assim criar com os países que aceitarem esses acordos laços que tornem impossíveis uma integração regional com uma real autonomia. O Mercosul e a CAN, nesse caso, não desapareceriam, mas não ultrapassariam o estatuto de acordos comerciais entre vizinhos, dentro do marco mais geral hoje sinalizado pela OMC, mas também ditado pelos interesses norte-americanos, via o conjunto de acordos bilaterais com diferentes países e o poder das suas multinacionais presentes na região. O Chile, que se retirou inclusive em 1975, durante a ditadura de Pinochet, da CAN, é o precursor e o paradigma em matéria de acordos bi-laterais. O Peru e a Colômbia assinaram acordos bi-laterais com os EUA e o Equador estava, antes das últimas eleições, se preparando. A decisão da Colômbia provocou a saída da Venezuela da CAN. Por sua vez, o Paraguai e o Uruguai, primos pobres do Mercosul, manifestam o seu interesse em assinar acordos bilaterais.
A Iniciativa para a Integração da infla-estrutura sul-americana – IIRSA – expressa bem a tendência predominante, à “transnacionalização dos espaços, de abertura das fronteiras nacionais para garantir as determinações das corporações e empresas com capacidade suficiente para manter fluxos no espaço mundializado… Na prática, o discurso da integração regional se reduz ao acondicionamento físico dos territórios para a livre circulação das mercadorias (todos os elementos que possam ter um valor de mercado) e os aspectos parciais administrativos (levantando as restrições burocráticas dos Estados-Territórios)”(6).

Na IIRSA, os Andes, a Floresta Amazônica, rios, pantanais, e, em geral, ecossistemas ainda preservados (e suas populações) são apreendidos como obstáculos à integração efetiva da região na “busca pela competividade”, conforme diziam o então presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, banco de fomento brasileiro, e o presidente da CAF, Sr Henrique Garcia em seminário realizado em 2003. (7) Se a IIRSA é iniciativa dos governos da região, ela “está fundamentalmente voltada para o atendimento das demandas dos segmentos com forte atuação no mercado internacional” (8).

Na mesma linha, vale lembrar a proposta de Anillo Energético Sudamericano, surgida no final dos anos 90, que interligaria os gasodutos da região, disponibilizando em particular o gás de Camisea, na Amazônia peruana, para o Chile. A idéia não se viabilizou, já que o gás de Camisea não poderia suprir ao mesmo tempo as necessidades do mercado interno peruano e dos seus clientes do Golfe do México e, do outro lado, o atendimento à região. Sara Larrain vê esse projeto, em coerência com a IIRSA, como “conexão de infra-estrutura sob a iniciativa privada” (9).

A chegada ao poder de governos “progressistas moderados” no Brasil, na Argentina e no Uruguai, de um lado, e, do outro, de “progressistas radicais” na Venezuela e na Bolívia, tende a modificar o quadro traçado acima. Dois projetos de integração estão se desenhando. Simplificando, podemos dizer que o governo do Presidente Lula é bem representativo do primeiro projeto. Segundo explicação do Dr. Guido Mantega, então presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, o atual governo brasileiro reconhece que a globalização da economia é irreversível, e pretende participar desse processo como protagonista e não como coadjuvante. Para isso, o governo brasileiro empreendeu uma vigorosa política externa com vistas a estabelecer uma nova correlação de forças através da diminuição da dependência dos países emergentes, do aumento da autonomia dos países, da união de interesses comuns, e da ampliação do diálogo Sul-Sul (10). O Brasil quer convencer os seus vizinhos que todos sairão ganhando ao se integrar coletivamente, com mais força, sem servilismo, na economia mundial. Podemos arriscar defini-lo, do ponto de vista política, como anti-imperialista e anti-hegemônico.
As mudanças no Mercosul, com a entrada no bloco da Venezuela, a criação do Parlamento do Mercosul e a aprovação do Fundo de Convergência Estrutural, destinado em particular a enfrentar as assimetrias sociais, econômicas e estruturais entre os países do bloco, apontam nessa direção. No entanto, o Mercosul está mergulhado em crises e impasses sucessivos no plano econômico (economias da Argentina e do Brasil esmagando os seus pequenos vizinhos; barreiras persistentes a produtos vindo de outros países do bloco e abertura indiscriminada para produtos de fora do bloco) e político (crise das papelereiras entre Argentina e Uruguai; acordos militares entre o Paraguai e os EUA).

Frente aos limites dos processos de articulação em curso, os governos da região criam a Comunidade Sul Americana de Nações – CASA, que une os países do Mercosul e da Comunidade Andina, Chile, Guiana e Suriname, “como opção para aprofundar a integração da economia regional, elevando o poder de barganha nas áreas hemisférica e internacional” (11). Mas a opção progressista da maioria dos governos faz com que não queiram reduzir a CASA a um mero instrumento de mercado. A Cúpula de Cochabamba, de dezembro 2006, manifesta a intenção dos governantes da região em ultrapassar uma união econômica. Na sua Declaração, eles afirmam que
“la construcción de la Comunidad Sudamericana de Naciones busca el desarrollo de un espacio integrado en lo político, social, cultural, económico, financiero, ambiental y en la infraestructura. Esta integración sudamericana no es sólo necesaria para resolver los grandes flagelos que afectan a la región, como son la pobreza, la exclusión y la desigualdad social persistentes, que se han transformado en los últimos años en una preocupación central de todos los gobiernos nacionales, sino que es un paso decisivo para lograr un mundo multipolar, equilibrado, justo y basado en una cultura de paz” (12).

E eles inscrevem no seu programa, além da pauta econômica, outros pontos: Agenda social sul-americana; Meio ambiente; Cidadania sul-americana; Identidade cultural e Participação cidadã no processo de integração.

Mesmo participando dessas iniciativas, Hugo Chavez e Evo Morales, talvez possam representar um outro modelo emergente que pretende se construir em oposição ao mercado dominante. Mercosul, CAN e Casa pretendem atuar conforme as regras do mercado liberal. Já, a Alternativa Bolivariana para as Américas – Alba, oficializada em 2004 pelos presidentes de Cuba e Venezuela, e que junta em várias iniciativas Venezuela, Cuba e, mais recentemente a Bolívia, segundo o Professor Emir Sader,

“ainda em estado embrionário, e sem prejulgar seu sucesso… é uma tentativa ambiciosa de integração regional que escapa às lógicas de mercado… “A Alba pretende ser o contraponto da ALCA. Pretende integrar economias dissimiles desde baixo, envolvendo a todos os atores econômicos e sociais – como cooperativas, pequenas empresas, empresas públicas, empresas privadas grandes, médias e pequenas -, priorizando o atendimento de problemas essenciais para a massa da população, como alimentação, moradia, indústria e meio ambiente. Enquanto que a ALCA não diferencia entre países grandes e pequenos, entre países com grandes recursos naturais, financeiros, energéticos e os outros, acentuando mecanismos em que ganham os mais fortes – neste caso, os EUA. Além disso, a ALCA pretende impor aos países critérios de segurança jurídica que favorecem as grandes corporações multinacionais, não se dispondo a atender aos países mais fracos (13).

Cooperação, complementaridade e solidariedade são palavras chave. É assim que a Venezuela, no seu Acordo com Cuba, por exemplo, troca petróleo por médicos e oftalmologistas. No entanto, essa oposição não significa ruptura com o modelo de desenvolvimento dominante nem com o seu mercado, já que o seu principal expoente, Hugo Chavez, assenta a sua proposta sobre a economia do petróleo. Tanto ele quanto Evo Morales querem que a renda propiciada pelos hidrocarbonetos sirva em prioridade para reorientar o desenvolvimento dos seus países para a população pobre, mas, além disso, Chavez aproveita dessa renda para alavancar o seu projeto de integração bolivariana. Esse modelo se apresenta com uma face venezuelana a tendências populistas e patriarcais e com uma face boliviana mais popular. Pois, se o governo venezuelano carece de movimentos sociais organizados para sustentar internamente seu projeto, não é o caso da Bolívia, cujo presidente, levado ao poder por um forte movimento social e étnico, é compelido a apresentar e defender um projeto de nação e de integração cuja centralidade esteja no resgate da autonomia do seu país e da dignidade e inclusão dos seus povos.
Talvez a questão da nacionalização das jazidas e das empresas de produção, transformação e comercialização de hidrocarbonetos possa ser vista como o começo de uma experiência de uma outra integração. Pois, países vizinhos, em particular o Brasil, afirmaram o direito do povo boliviano e do seu governo a exercer a sua soberania.
Gasodutos, sim, mas sob regras que beneficiam à população boliviana. Falta dizer e fazer com que esse gás seja distribuído para o bem real dos países e das populações dos países que o recebem.
Assim, a criação da Comunidade sul-americana de nações bem como a entrada da Venezuela no Mercosul e a intenção manifestada por Evo Morales de seguir o mesmo caminho, colocam novos ingredientes, não só para uma integração econômica no marco do mercado global, desejada e procurada dentro de um marco anti-hegemônico, não mais por países que aceitem sem contestar a sua subordinação e sua dependência, mas para uma integração orientada para a região. Têm como um de seus pilares um novo discurso político, de unificação dos nossos destinos, de reconhecimento das assimetrias, de solidariedade e de apoio mútuo.

Algumas questões que esses processos levantam.

1/ Fragmentação do território

Os Estados-nações eram também Estados-territórios. As nações se definiam pela extensão do seu território e a cidadania pelo pertencimento a esse território. A construção dos Estados da região pode ser interpretada como uma história de tensão permanente entre a busca de unificação do território e dos seus habitantes pelo poder econômico e político e as múltiplas resistências exercidas por populações inseridas em territórios extremamente diversificados, biológica e humanamente. Mesmo que certos setores tenham imposto certas formas de exploração do território nacional que marcaram a economia do país, tais como mineração, pecuária, culturas da cana ou do café, etc., cada país manteve uma fisionomia própria diversificada: países das pampas, dos chacos, dos cerrados, das serras e dos altiplanos, dos bosques boreais e das florestas tropicais, dos desertos e das caatingas, dos pantanais e dos humedales. Cada ecossistema com seus povos.

Subordinados ao mercado global, “os espaços de integração regional oficialmente definidos apontam para a padronização da diversidade, a uniformização espacial e a intenção de hegemonia cultural” (14). Por exemplo, a produção de soja ou de eucalipto e pinheiro uniformiza o espaço ao mesmo tempo em que exclui as populações locais das suas atividades tradicionais. Os espaços se tornam mero suporte para a atividade produtiva, sem a relação duradoura entre a atividade econômica e o ecossistema, que permite que uma realimente a outra; sem envolvimento da população local, que se torna obstáculo. E, quando não servem ao capital, são desprezados e abandonados. Essa integração, que desconsidera a diversidade dos ecossistemas, a fortiori ignora as populações locais na sua diversidade, étnica, de gênero, produtiva, cultural. Assim, “matrizes uniformizantes sobre territórios biodiversos consolidam a fragmentação dos espaços… Os Estados-Territorios procuravam a formulação de normativa de aplicação universal no interior do espaço da Nação, os processos de integração geram fragmentações orientadas pelos fluxos e reservatórios dos fatores de produção” (15). O desafio consiste em promover uma integração que barre a definitiva fragmentação, substituindo-a pela diversidade de projetos promovidos por atores e grupos sociais que se reconheçam plurais, mas solidários.

2/ Nacionalismos e Nações autônomas

Uma verdadeira integração exige Estados nacionais autônomos para que a integração não se comute em sub-imperialismo disfarçado ou não seja uma entregue total ao mercado global, como mencionado acima. Estado nacional autônomo não significam nacionalismo. O nacionalismo associa-se à defesa das fronteiras e da integridade do território nacional, tendo por isso mesmo um forte componente militar. Para prosperar, ele precisa do conflito, aberto ou velado, real ou artificial. O nacionalismo precisa de inimigo a quem se opor. Ele é facilmente acionado quando um governo precisa fortalecer a sua imagem ou justificar certas das suas ações, quando é preciso desviar a atenção de certos problemas, re-unificando a nação, quando ajuda a mascarar processos anti-nacionais. A ditadura militar brasileira cunhou assim a respeito da Amazônia brasileira o slogan Integrar para não entregar. A imprensa brasileira e certos setores políticos responderam à decisão da Bolívia de nacionalizar as jazidas e as indústrias de hidrocarbonetos com um apelo nacionalista rasteiro, lembrando que “as nações não têm amigos, só interesses”. Sob o discurso nacionalista, se esconde frequentemente interesses econômicos que pouco têm a ver com os verdadeiras interesses os povos. Mudam os interesses e muda o discurso, como o mostra a reivindicação de autonomia de alguns departamentos bolivianos. Como um filme em negativo, ela mostra como a noção de nação pode ficar subordinada a interesses econômicos.

Apesar de que os países reconheçam em tese a assimetria existente entre eles e queiram reduzi-la, o que tem ocorrido é que, ao mesmo tempo em que buscam construir uma política comum, defendem com unhas e dentes seus interesses. Quando o BNDES empresta dinheiro para obras em países vizinhos, o faz para financiar a produção de bens e serviços para essas obras no Brasil e para financiar as empresas brasileiras que vão executá-las. Atualmente, busca-se abrir o BNDES para que fomente atividades econômicas nos países vizinhos Mas, si é difícil falar de sub-hegemonia, é inegável que o Brasil se posiciona de modo a que sua liderança no processo de integração esteja garantida (16). Frente ao “rolo compressor” da Argentina e do Brasil, a tentação é grande para o Paraguai e o Uruguai aceitar e mesmo promover uma integração a qualquer custo.

Não se precisa de nacionalismos, mas de nações autônomas e de Estados soberanos fortes. E, para isso, precisa-se que cada povo tenha sua existência reconhecida dentro de cada nação, e que se reconhecem como povos que participam de um projeto de nação, não fundado sobre a oposição a outros povos e nações, mas sobre um projeto próprio que os integre num projeto regional.

3/ O modelo de desenvolvimento

Ao mirar os processos de integração em curso, o modelo de desenvolvimento pretendido pelos governos da região, para além das retóricas, não aparece ser outro, com algumas nuances, do que o que está em curso. Tratar-se-ia de aprofundar um modelo primário-exportador, com algumas poucas áreas de excelência industrial ou agrícola, sugando e destruindo os recursos naturais e, cada vez mais excludente do ponto de vista social.

O mais preocupante é que, admitindo que caminhemos para uma alternativa política, na nossa perspectiva, essa alternativa encontrará seus limites cedo. O modelo de desenvolvimento, proposto inclusive pelos que buscam uma outra integração, é fundado sobre o mesmo padrão de produção e consumo. Esse padrão chegou a tal grau de sofisticação e de integração de mercado que dificilmente pode permitir, no curto e no médio prazo, bifurcar e tomar outro rumo. Ele enreda os governos em redes tecnológicas, comerciais e financeiras tais que somente profundas crises e intenso apoio popular permitiriam iniciar as rupturas necessárias para construir uma alternativa real.
O segundo limite é devido ao fato que a maioria dos setores progressistas no poder ou que gravitam ao seu redor acreditam que somente o crescimento no quadro desse modelo permitirá fornecer empregos e reduzir assim a pobreza. Crença ou medo de enfrentar a construção dolorosa e pouco gratificante no quadro da política tradicional de um outro desenvolvimento? O certo é que essa opção faz com que os dirigentes políticos progressistas estejam mais próximos dos que manejam há décadas, e mesmo séculos, o modelo dominante do que dos que os levaram ao poder.

O terceiro limite está na crise estrutural provocada pelo modelo adotado. Crise de empregos, pois, mesmo que haja ainda lugar em nossos países para um crescimento real dos empregos, sempre mais pessoas são dispensáveis, tanto como produtoras quanto como consumidoras. Crise de cidadania, pois o mercado constituído sobre esse padrão de produção e consumo substitui a democracia substantiva por um faz-de-conta no qual os rituais eleitorais mal disfarçam a descartabilidade de parte da população. Crise ambiental, pois, se há maior sensibilidade para com as grandes crises ambientais que estão se gestando – água, energia, clima, solo e biodiversidade – essa sensibilidade não afeta, senão marginalmente, a máquina embalada do crescimento a qualquer custo.

II. A integração que construímos

A construção de uma integração só pode ser um processo histórico. Países e impérios se construíram e adquiriram identidade tanto em oposição a outros países e/o povos quanto por processos internos de afirmação e de pertencimento (construção da ocupação do território, do sistema jurídico, de valores, da função e dos aparelhos do Estado, as formas do desenvolvimento…). As guerras e os conflitos resultantes do fim de impérios e do colonialismo e da decadência de certos Estados, de um lado, e, do outro, do processo de transnacionalização do território sob a hegemonia neo-liberal, bem como a transformação do mundo em “aldeia global”, graças aos meios de comunicação, colocam limites aos Estados-nação/Estados-território. Não estamos aqui negando a soberania dos países da região sobre seus territórios, mas, frente à entrega dos nossos territórios à sanha do grande capital, já vemos que se quer reduzir os nossos Estados a guardiões da nova ordem econômica internacional, com seus aparatos ideológicos e repressivos voltados para a manutenção da ordem social e suas fronteiras se tornando barreiras de contenção às migrações. Enquanto isso, sempre mais pessoas se vêm excluídas de uma cidadania ativa. “A soberania nacionalista, construída sobre a idéia da existência de um Estado Nação em um território; e uma sociedade que se comporta como um grupo social, compartilhando interesses e objetivos” (17) está sendo destruída pelas mesmas classes dominantes que a defendem nos seus discursos, pois a sua manutenção serve a seus interesses escusos. Continua Achkar:
“Frente a estos procesos contradictorios: integración – fragmentación, las sociedades desde sus distintos niveles de organización, confrontan otras alternativas de integración de los territorios. Partiendo de la lógica de ocupación territorial, el territorio es aquella porción del espacio ocupado organizado y gestionado por una comunidad, como categoría densa que contiene la historia que lo contiene.

Desde esta interpretación el concepto de soberanía territorial se diferencia sustancialmente de la soberanía nacionalista: La soberanía territorial se asocia a la capacidad de una grupo social de construir la historia que contiene y esta contenida en un territorio concreto. La integración aparece entonces como la consolidación de diversidad de territorios soberanos, con instancias de gestión participativa de los bienes de la naturaleza que integran el espacio. La complementariedad entre esta diversidad de territorios constituye la matriz de esta integración territorial. Esta complementariedad es un proceso de creación diversa según los objetivos diferentes de cada grupo social que estructura su espacio”.

Esse processo de criação exige a participação diferenciada dos homens e das mulheres, para que não se reproduzam os esquemas de dominação de gênero e que a diversidade dos projetos seja realmente posta a prova. Portanto, resulta pouco provável a definição de uma matriz homogênea, de aplicação universal para a complementaridade territorial a nível regional.

Esta integração territorial não se opõe forçosamente à soberania nacional. Os Estados-nação, na medida em que se consegue inverter a sua identificação com as forças do mercado neo-liberal e com as classes dominantes, voltando a ser a expressão dos povos e das populações inseridas no seu território, são o ponto de partida da integração que buscamos. Partindo da afirmação das nossas soberanias nacionais assim entendidas e das expressões das nossas soberanias territoriais, a integração territorial parece tender a ser um processo que se deve construir a partir das experiências de cada grupo social. É isso que estamos ainda iniciando.

Reconhecemos que começamos um processo de integração por oposição ao modelo e às iniciativas já existentes. Antes de ser um projeto articulado de uma outra integração, é uma ação coletiva de resistência. Não poderia ser de outra forma já que não detemos os recursos e o poder de realizar e de influenciar decisivamente um projeto público de interação regional. Nosso “contra” não é de protesto por princípio ou por uma vaga utopia, mas de esperança numa transformação tanto possível quanto necessária:

1/quando juntos travamos lutas contra a Alca, a OMC, o FMI, a dívida externa, o expansionismo norte-americano, a militarização do sub-continente, a concepção de integração da IIRSA;
2/ e, mais próximo, por exemplo, contra a hidrovia Paraguai-Paraná, contra a hidrovia e represas do rio Madeira, contra o gasoduto norte-sul, contra os impactos sociais e ambientais das empresas de hidrocarbonetos, de produção de papel, celulose e carvão vegetal, contra uma siderurgia no Pantanal, contra a monocultura da soja e os transgênicos e, mais amplamente, contra uma agricultura baseada sobre um pacote tecnológico que concentra o poder nas mãos da agroindústria e tende a reconcentrar a terra, excluindo boa parte do campesinato; contra a transnacionalização de uma zona de glaciares entre o Chile e a Argentina para a mineração, etc.
3/ Quando apoiamos lutas em países vizinhos, por exemplo contra represas que afetam os Mapuches; uma usina nuclear na Patagônia, a repressão na Colômbia, a Petrobrás no Equador;

Essas lutas podem aparecer como ações meramente reativas, mas, ou porque é um projeto nosso em construção que nos faz reagir ou porque na própria reação e negação é que formulamos nossas alternativas, é nestas lutas de resistência que se esboça uma outra integração. Mas também esta se afirma positivamente:

1/ Quando dizemos que “Uma outra América Latina é possível” e fazemos do FSM e dos nossos encontros internacionais espaços de construção de integração, e, mais concretamente,
2/ quando defendemos uma agricultura camponesa, dentro dos marcos da soberania e da segurança alimentar e nutricional. Note-se que nosso projeto não é de integração das agriculturas da região, senão quando são claras as complementaridades, devido a tradições, climas, disponibilidade de espaço. A integração está na formulação de alternativas (o que pode significar integrar/descentralizar centros de pesquisa e tecnologia, certos elementos de agroindústria, por exemplo), na sua defesa e na sua implementação, cada um no seu país. A integração está na criação de movimentos como a Via Campesina e da CLOC e no debate travado por essas organizações e seus aliados, em particular sobre a soberania alimentar. Queremos dar prioridade á produção e aos mercados locais.
3/ quando propomos uma plataforma energética para a região que tenha como ponto de partida a soberania energética. A partir do questionamento dos usos da energia: quantidade e destino. Para indústrias eletro-intensivas e agricultura voltadas para exportação ou para indústrias locais e que agregam valores e para diminuir a igualdade social (cesta energética)? Para sustentar o transporte individual e o transporte rodoviário ou para promover o transporte público urbano, as ferrovias e a cabotagem e reduzir as necessidades de transporte de mercadoria, aproximando a produção do consumo? Com mais construções de hidroelétricas, termoelétricas, usinas nucleares, gasodutos e oleodutos (que não recusamos em bloco numa perspectiva de transição) ou dando ênfase às energias renováveis, à economia e à conservação de energia? Com energias renováveis entregues ao mercado ou energias sustentáveis, com controle social?
4/ quando nos juntamos na resistência à privatização da água e defendemos uma gestão pública e participativa dos usos da água;
5/ quando propomos que as regiões vistas por IIRSA como obstáculos à integração – ecossistemas ainda preservados, Altiplano andino, Chaco, Pantanal, Floresta Amazônica – sejam consideradas como regiões onde populações na sua maioria tradicionais (povos indígenas e/ou negros ou mestiço instalados há tempo nessas regiões nas quais desenvolveram formas de viver e de se reproduzir adaptadas ao ecossistema) possam assegurar a sua soberania territorial e, ao mesmo tempo, reforçar coletivamente, de maneira transfronteiriça, suas formas de produzir e de viver.
6/ quando, frente à IIRSA, propomos que as vias e comunicação priorizem as ligações entre territórios onde povos e setores da população constroem seus projetos diversificados de vida e de reprodução sustentáveis; entre as cidades e seu entorno, valorizando a produção camponesa e as suas estratégias de diversificação da agricultura e suas formas de gestão do território rural que garantem, por exemplo, o fornecimento de água de qualidade às cidades;
7/quando propomos que, frente ao modelo automotivo, sejam privilegiados os transportes coletivos;
8/ quando, frente ao mercado neoliberal, afirmamos o potencial da economia solidária;
9/ quando propomos que as atividades de empresas na região e os empreendimentos públicos tenham como referência o padrão de leis ambientais, sociais e trabalhistas mais alto dentro da região (18), sugerindo assim um caminho para uma regulação pública regional.
III. Os desafios
1/ Os setores sociais que valorizam a ascensão ao poder em vários países de presidentes de esquerda, sobretudo com Chaves e Evo Morales, se empolgam com as perspectivas de redução da dependência em relação à globalização neoliberal e de construção da integração regional. Mas será que significa mudanças profundas na maneira de fazer política e de conduzir o Estado? A maioria não se mantém distante dos movimentos sociais que os levaram ao poder?
Quanto a sua visão de desenvolvimento, não continua sendo uma visão tradicional? É o padrão de produção e de consumo atuais dominantes que continuam sendo a sua referência. Se preocupam com o trabalho, mas continuam pensando que o crescimento da economia vai resolver o problema. O meio ambiente é uma preocupação periférica. Continuam pensando que o meio ambiente não pode atrapalhar o desenvolvimento.

2/ Se os governos de esquerda pensam assim, é em parte por convicção e em parte por avaliar que a conjuntura, mundial e, freqüentemente, a nacional não lhes permitem se afastar dos cânones e das classes dominantes; mas também porque a maioria dos movimentos sociais tem a mesma concepção do desenvolvimento do que eles. O desafio é, portanto, convencer movimentos e organizações populares, sindicais e políticas e lideranças que não será possível qualquer integração na base do modelo atual. O marco desse diálogo é o questionamento da concepção de desenvolvimento corrente aceita de forma pragmática e, positivamente, avançar numa concepção de sociedade sustentável que oriente as opções políticas para a construção de uma integração sobre outros bases do que a meramente econômica.

3/ A credibilidade das nossas idéias é também ligada à aceitação de uma transição do modelo atual de desenvolvimento e do seu padrão de produção e consumo para formas diferenciadas de sociedades sustentáveis e à formulação de propostas dirigidas à economia e à política dominantes para, progressivamente, mudar seu padrão de atuação. Como, por exemplo, dialogar com uma empresa como a Petrobrás, misto de multinacional e de empresa pública? Mas devemos dialogar, por exemplo, com os produtores de soja e as empresas da cadeia? A “responsabilidade social” empresarial faz parte do nosso ofício?

Estamos assistindo – e até participando – a uma inflexão inquietante na atuação das ONGs e mesmo de movimentos sociais. Frente às pressões que sofrem da parte dos consumidores do “norte” e de governos, por causa em particular de compromissos assumidos com a assinatura de tratados internacionais, grandes corporações e certos setores da economia tentam melhorar a sua imagem ambiental. Para isso, buscam legitimidade no aval da sociedade civil. Em lugar de promover a soberania territorial e a integração na diversidade, insidiosamente, estaríamos legitimando a transnacionalização do território.

4/ No plano dos valores, há ainda um enorme caminho a percorrer para nos aproximar de uma idéia de integração que não seja meramente a busca de supremacia comercial. Por ocasião das medidas do presidente Evo Morales de nacionalização dos recursos de hidrocarbonetos e das empresas petrolíferas, as reações no Brasil da imprensa e de representantes das classes dominantes foram unânimes em dizer que os interesses do país devem passar antes de quaisquer considerações. Como disse um embaixador aposentado, citando um presidente norte-americano do passado: “um país não tem amigos, só tem interesses”. Repetiram em relação à Bolívia a mesma atitude de desprezo que têm em relação aos pobres no Brasil.

5/ É preciso um debate amplo sobre o Nacionalismo. Assistimos à emergência ou ao ressurgimento de nacionalismos que reeditem concepções que pouco ou nada têm a ver com a solidariedade na qual esperamos que uma integração seja fundada. Se identificamos melhor o nacionalismo que se esconde sob certos interesses econômicos e políticos transnacionalizados, vemos que o nacionalismo “patriótico”, assumido em particular pelas forças armadas, defensoras das fronteiras, é usado não somente pelos que querem uma integração estritamente de mercado quanto por setores políticos de esquerda. Para nós, a reflexão sobre a soberania territorial que iniciamos aqui indica um caminho para esse debate.

6/ Frente à fragmentação produzida pela integração promovida pelo grande capital, um importante desafio, para nós o mais fundamental, está em promover a diversidade. Nossa utopia, nosso projeto de construção de uma outra sociedade, não é de substituir um modelo único de produção e consumo e de mercado por outro, também único. Frente ao totalitarismo do mercado e das suas realizações no território, que não toleram a co-existência com a diversidade social e ambiental, estimamos que o futuro está na co-existência de projetos diferenciados de comunidades, de povos e de sociedades sustentáveis.

IV Algumas pistas

A guisa de conclusão, colocamos aqui uma reflexão elaborada sobre o Brasil, mas que, ao que nos parece, pode ajudar a pensar caminhos para a nossa integração (19). Para que esta utopia saia do estagio das experimentações e se generalize, é indispensável que se reduzam as relações de dependência. Isso passa pela recusa que a América do Sul continue sendo uma economia primário-exportadora. Não pregamos o isolamento dos nossos países e da região do resto do mundo, mas reafirmamos a necessidade desta região, com os recursos e a população que tem e com a sua abismal desigualdade, se voltar para um desenvolvimento mais endógeno. Necessitamos de novas e autênticas políticas de desenvolvimento que dêem prioridade aos mercados internos.

A produção industrial deve ser orientada neste sentido através de claras e permanentes políticas de estímulos ou desestímulos à produção, conforme o caso. Impostos, créditos e outros instrumentos que envolvam recursos públicos devem servir a este fim. Deve ser eliminado todo e qualquer subsídio ou outra forma de incentivo à produção de bens que não gere quantidade significativa de empregos, requeira o consumo intensivo de recursos naturais, seja de natureza altamente poluidora ou ameace a saúde dos trabalhadores envolvidos. Por outro lado, segmentos produtivos que atendam positivamente a estes requisitos deverão ser estimulados. Caso contrário, eles poderão ser fortemente taxados pelos danos causados à população e ao meio ambiente.

Tecnologias industriais de risco comprovado e de alto conteúdo energético devem ser objeto de restrições progressivas ou abandono. A introdução de novas técnicas e padrões de produção não pode permanecer subordinada à lógica do mercado e da rentabilidade financeira de curto prazo. A legislação e os recursos públicos podem viabilizar o desenvolvimento da ciência e tecnologia voltadas para este objetivo. A reutilização e reciclagem de sucatas e materiais, resíduos e subprodutos do próprio processo, bem como a redução do consumo de energia, água, matérias-primas e outros insumos em processos industriais devem ser objeto de estímulos específicos e as empresas responsabilizadas quando for o caso. Contra a sua obsolescência programada, deve ser visado o prolongamento da vida útil dos bens se consumo.

A retomada, o aprofundamento ou o início de verdadeiras Reformas Agrárias numa visão de sustentabilidade, continuam sendo um imperativo social e de desenvolvimento para a região. Agricultura familiar e reforma agrária têm que ser vistas também hoje, para além da função produtiva, como promotores da descompressão urbana, como fatores importantes da segurança alimentar e nutricional, por garantir potencialmente a diversidade fitogenética, a diversidade e qualidade alimentar, como prestadores de serviços públicos ambientais, pela produção e manutenção das águas, da biodiversidade, etc..

Precisa urgentemente adquirir, do poder público à sociedade, uma visão que pensa o território e as forças sociais atuantes nele, para que as políticas e as ações possam ser decididas numa perspectiva mais totalizante e pactuada. Contra a lógica desterritorializante da globalização, queremos a sustentabilidade dos lugares, que exige respeito a diversidade cultural e ecológica, regulação social sobre o uso dos lugares e pactos territoriais. Quanto às políticas industriais, especial atenção deve ser dada aos padrões de localização da indústria. Por um lado, deve ser incentivada a desconcentração geográfica da produção, de modo a estimular atividades compatíveis com cada uma das regiões e cada localidade, aproximar a produção do consumo, economizando assim energia e produzindo empregos mais descentralizados. Mas, do outro, deve ser combatida a de localização predatória, orientada pelo menor custo trabalhista, social e ambiental.
Contra o cerceamento do meio ambiente em áreas circunscritas a Unidades de Conservação, deixando o resto do território livre para a exploração e depredação, queremos uma política que percebe o meio ambiente como inserido na trama do território, nos espaços de produção, de residência, de deslocamento, de serviços. A gestão do meio ambiente não pode estar, de um lado, restrita a um Ministério e, do outro, entregue, como no caso da produção de grãos no Cerrado e na Amazônia e da Água, a interesses econômicos. Em particular, a gestão da água não se resolverá por acordos entre “usuários” em instâncias em que os interesses difusos da sociedade e do país não estejam ativamente representados. A necessidade vital de dispor da energia suficiente para um desenvolvimento endógeno e a supressão das enormes desigualdades existentes exige também uma visão de território e o debate societário o mais amplo e esclarecido possível. O desenvolvimento do transporte público de massas, do transporte de cargas por via marítima e ferroviária deve ocupar boa parte do espaço hoje ocupado por automóveis e caminhões.

As cidades não podem ser vistas como plataformas que viabilizam nossa “globalização”, subordinando todas as questões urbanas a essa estratégia. Ë precisa resgatar o sentido da cidade como lugar da vida, individual e societária, à qual o desenvolvimento deve estar subordinado, e lugar de vivência de uma cidadania mais igualitária. Precisa de políticas nacionais que agem sobre a construção do urbano no conjunto do território e que promovem as necessárias mudanças de estrutura de poder e de gestão nas metrópoles.
As proposições formuladas aqui supõem mudanças profundas na cultura política. Em particular, sublinhamos aqui a necessidade de enraizar a prática do controle público e da sociedade sobre as instâncias que travam discussões e tomam decisões que afetam nosso futuro.

No que diz respeito aos processos de privatização dos serviços públicos, que envolvem setores como os de energia elétrica, telecomunicações, petróleo, construção e manutenção de rodovias, portos e aeroportos, saneamento básico, abastecimento de água, transporte urbano e suburbano, entre outros, além de exigir que sejam estancados e revertidos, impõe-se a necessidade de assegurar o controle público sobre esses serviços. Pois os serviços públicos serem rotulados de “públicos” não garante uma gestão ao serviço da população. Isso supõe uma redefinição dos órgãos de gestão e controle dos serviços públicos, no sentido da sua capacitação para assumir as atividades de regulação e fiscalização destas atividades; a criação ou o fortalecimento de conselhos, comissões, etc., com quadros da função pública preparados para isso e recursos próprios e a participação de setores da sociedade civil que tenham legitimidade para representar os interesses difusos da sociedade. As representações do setor privado, da área científica, das ONGs e das organizações sindicais e populares deveriam passar por órgãos colegiados cuja representatividade fosse reconhecida ou, quando não houver, por consultas tão amplas quanto possível.

Embora os Estados estejam se desfazendo da produção direta de bens, as instâncias regionais públicas em construção não podem renunciar a seu papel orientador de políticas de desenvolvimento econômico e social nos termos definidos acima. Mas não cabe mais que tais políticas, que colocam em jogo o futuro do conjunto da sociedade, de um lado, sejam totalmente subordinadas à política financeira e cambial e, do outro, sejam discutidas unicamente pela tecnoburocracia supostamente especializada e pela parte do setor privado que mais se afina com a abertura econômico regional. Cabe reforçar os órgãos públicos especializados voltados para isso, mas também submetê-los – e as políticas e propostas de desenvolvimento – à discussão pública.

Notas

(1) A Comunidade andina de Nações – CAN – criada em 1996, é constituída por Bolívia, Colômbia, Equador e Peru.
(2) O Mercosul foi criado em 1991 por Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai, e formalizado em 1994. A venezuela passou a integrá-lo em 2006.
(3) Aliança Social Continental – ASC, Campanha Brasileira contra ALCA/OMC, Rede brasileira pela Integração dos Povos – Rebrip. Integração na América Latina. Subsídios para debater a integração dos povos. Cadernos de formação 3. ASC, Campanha, Rebrip, São Paulo, Rio de Janeiro, 2006.
(4) Camargo, Sônia. União Européia e Mercosul: Convergências e Divergências, IRI Textos, Nº 22, setembro de 1999, IRI-PUC/RJ
(5) Aliança Social Continental – ASC, Campanha Brasileira contra ALCA/OMC, Rede brasileira pela Integração dos Povos – Rebrip. Op.cit:10.
(6) Ver Achkar, Marcel. Una visión territorial de la integración. Cono Sur Sustentable/Rede Amigos de la Tierra Uruguay. Manuscrito. 2006.
(7) Carvalho, Guilherme. A integração Sul-americana e o Brasil: O protagonismo brasileiro na implementação do IIRSA. Fase, Belém, 200: 21.
(8) Idem: 71.
(9) De Ovando, Lino Solis y Larrain Sara. Anillo energético sudamericano. Desafíos para la integración energética del Conosur. Chile sustentable, Santiago, 2005.
(10) Seminario IIRSA, BNDES, 23 de noviembre de 2005.
(11) Aliança Social Continental – ASC, Campanha Brasileira contra ALCA/OMC, Rede brasileira pela Integração dos Povos – Rebrip. Op.cit: 26.
(12) II cumbre de jefes de estado de la comunidad sudamericana de naciones. Declaración de Cochabamba – Colocando la piedra fundamental para una unión sudamericana. 8 y 9 de diciembre de 2006.
(13) Sader, Emir. Alternativas latino-americanas. Le Monde Diplomatique, Edições mensais, fevereiro 2006.
(14) Achkar, id.
(15) Ibidem.
(16) Ver Carvalho, Guilherme. A Integração Sul-Americana e o Brasil: O protagonismo brasileiro na implementação da IIRSA. Fase, Belém/PA, 2004.
(17) Achkar. Id.
(18) ver o artigo de Julianna Malerba e Maria Elena Rodriguez. Extraterritorialidad y derechos humanos: el doble estándar de la Petrobrás em Yasuní (Ecuador). In Leroy Jean Pierre y Malerba, Julianna. Petrobrás: ¿integración o explotación”, Fase, Rio de Janeiro, 2005.
(19) Este capítulo foi elaborado a partir do conjunto de estudos do Projeto Brasil Sustentável e Democrático.

Jean Pierre Leroy com a colaboração de Marcelo Achkar
I. As integrações em curso
Quais são os significados da Integração regional no contexto atual, stuff o de cada país, decease da região e do mundo? Levando em conta os múltiplos interesses que atravessam o debate e as iniciativas em curso, aparecem várias ambigüidades e contradições que impedem de simplificar a questão.
A integração está sendo imposta no contexto econômico global que leva à abertura indiscriminada das economias locais, com a presença crescente de multinacionais, à privatização das empresas públicas e, ainda em curso, à privatização dos serviços que eram públicos, à liberdade de movimentação do capital financeiro. A integração entendida assim tende a nivelar por baixo direitos trabalhistas, sociais e ambientais dos países envolvidos e a criar um ambiente político e econômico que permite às firmas transnacionais se mover na região exclusivamente em função dos seus interesses.
Essa integração regional busca um re-ordenamento das economias locais e um tipo de integração que oscila entre a busca de um melhor posicionamento na economia global e, do outro lado, secundariamente, a formação um mercado regional. Aparecem então os interesses das principais economias da região (Brasil, Argentina) que ganham no comércio regional ao mesmo tempo em que o Mercosul lhes dá maior poder de barganha frente à economia mundial.
Ao mesmo tempo em que os Estados-nações mais sólidos economicamente buscam se fortalecer através da integração econômica, contraditoriamente, mas coerentemente, são levados, eles e os outros países da região, a abrir mão de parte da sua soberania em nome de regras e instâncias supra-nacionais, estabelecidas dentro do bloco e fora dele. Isso é coerente com o que já acontece no plano de cada país, quando os Estados cumprem o papel de facilitadores de uma economia sempre mais aberta e que dita, através dos quadros dirigentes das grandes corporações e dos seus aparelhos, os rumos do crescimento, em nome do dogma que é esta economia que vai gerar riqueza, empregos e melhorias sociais.
A integração, nesse sentido, atua em mão dupla, embora os fluxos, do “norte” para o “sul” e do sul para o norte, sejam incomparavelmente desiguais. De um lado, ela facilita o domínio das grandes corporações produtivas, comerciais e financeiras e das economias dos Estados mais fortes da região, ao permitir aos segmentos exportadores regionais ter mais força para penetrar no mercado mundial, fazendo uso das suas vantagens comparativas, e aos setores produtivos da região importar na expectativa de participar do crescimento esperado. De outro lado, ao abrir o comércio regional, colocando-o sob as regras do livre-mercado, prepara o terreno e o ambiente para a liberalização completa das economias nacionais.
Essa estratégia, bem ou mal, significa o início de uma política regional concertada, que construa uma integração não só econômica, mas também política. A integração é o embrião de um futuro poder supra-nacional que garante ao mercado as condições para a sua plena realização. A Comunidade andina de Nações – CAN (1) e o Mercosul (2) podem ser vistos nessa perspectiva. Numa cartilha que apresenta os processos em curso de integração regional (3), Fátima Mello, citando a professora Sônia Camargo (4), destaca que as políticas econômicas do Mercosul “passaram a se voltar, prioritariamente, para uma melhor adequação às exigências de competitividade impostas pelos processos de liberalização dos mercados e de sua integração global”; e comenta que, “frente à aceleração dos processos de indiscriminada liberalização e desregulamentação comercial e financeira, foi levado a converte a dinâmica sub-regional em um modelo de regionalismo aberto, visando a inserção competitiva no mercado globalizado”(5).
Várias iniciativas dos governos da região exemplificam essa relação tencionada e contraditória entre a lógica do mercado e vontades – ou veleidades – políticas. Se a resistência à proposta norte-americana de formação da Alca prevaleceu, sob a liderança do Brasil e o forte movimento popular sul-americano, o projeto dos EUA de colocar de maneira duradoura a região sob a sua dependência pela via econômica está sendo posto em ação pelo caminho de acordos bi-laterais. Os EUA esperam assim criar com os países que aceitarem esses acordos laços que tornem impossíveis uma integração regional com uma real autonomia. O Mercosul e a CAN, nesse caso, não desapareceriam, mas não ultrapassariam o estatuto de acordos comerciais entre vizinhos, dentro do marco mais geral hoje sinalizado pela OMC, mas também ditado pelos interesses norte-americanos, via o conjunto de acordos bilaterais com diferentes países e o poder das suas multinacionais presentes na região. O Chile, que se retirou inclusive em 1975, durante a ditadura de Pinochet, da CAN, é o precursor e o paradigma em matéria de acordos bi-laterais. O Peru e a Colômbia assinaram acordos bi-laterais com os EUA e o Equador estava, antes das últimas eleições, se preparando. A decisão da Colômbia provocou a saída da Venezuela da CAN. Por sua vez, o Paraguai e o Uruguai, primos pobres do Mercosul, manifestam o seu interesse em assinar acordos bilaterais.
A Iniciativa para a Integração da infla-estrutura sul-americana – IIRSA – expressa bem a tendência predominante, à “transnacionalização dos espaços, de abertura das fronteiras nacionais para garantir as determinações das corporações e empresas com capacidade suficiente para manter fluxos no espaço mundializado… Na prática, o discurso da integração regional se reduz ao acondicionamento físico dos territórios para a livre circulação das mercadorias (todos os elementos que possam ter um valor de mercado) e os aspectos parciais administrativos (levantando as restrições burocráticas dos Estados-Territórios)”(6).
Na IIRSA, os Andes, a Floresta Amazônica, rios, pantanais, e, em geral, ecossistemas ainda preservados (e suas populações) são apreendidos como obstáculos à integração efetiva da região na “busca pela competividade”, conforme diziam o então presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, banco de fomento brasileiro, e o presidente da CAF, Sr Henrique Garcia em seminário realizado em 2003. (7) Se a IIRSA é iniciativa dos governos da região, ela “está fundamentalmente voltada para o atendimento das demandas dos segmentos com forte atuação no mercado internacional” (8).
Na mesma linha, vale lembrar a proposta de Anillo Energético Sudamericano, surgida no final dos anos 90, que interligaria os gasodutos da região, disponibilizando em particular o gás de Camisea, na Amazônia peruana, para o Chile. A idéia não se viabilizou, já que o gás de Camisea não poderia suprir ao mesmo tempo as necessidades do mercado interno peruano e dos seus clientes do Golfe do México e, do outro lado, o atendimento à região. Sara Larrain vê esse projeto, em coerência com a IIRSA, como “conexão de infra-estrutura sob a iniciativa privada” (9).
A chegada ao poder de governos “progressistas moderados” no Brasil, na Argentina e no Uruguai, de um lado, e, do outro, de “progressistas radicais” na Venezuela e na Bolívia, tende a modificar o quadro traçado acima. Dois projetos de integração estão se desenhando. Simplificando, podemos dizer que o governo do Presidente Lula é bem representativo do primeiro projeto. Segundo explicação do Dr. Guido Mantega, então presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, o atual governo brasileiro reconhece que a globalização da economia é irreversível, e pretende participar desse processo como protagonista e não como coadjuvante. Para isso, o governo brasileiro empreendeu uma vigorosa política externa com vistas a estabelecer uma nova correlação de forças através da diminuição da dependência dos países emergentes, do aumento da autonomia dos países, da união de interesses comuns, e da ampliação do diálogo Sul-Sul (10). O Brasil quer convencer os seus vizinhos que todos sairão ganhando ao se integrar coletivamente, com mais força, sem servilismo, na economia mundial. Podemos arriscar defini-lo, do ponto de vista política, como anti-imperialista e anti-hegemônico.
As mudanças no Mercosul, com a entrada no bloco da Venezuela, a criação do Parlamento do Mercosul e a aprovação do Fundo de Convergência Estrutural, destinado em particular a enfrentar as assimetrias sociais, econômicas e estruturais entre os países do bloco, apontam nessa direção. No entanto, o Mercosul está mergulhado em crises e impasses sucessivos no plano econômico (economias da Argentina e do Brasil esmagando os seus pequenos vizinhos; barreiras persistentes a produtos vindo de outros países do bloco e abertura indiscriminada para produtos de fora do bloco) e político (crise das papelereiras entre Argentina e Uruguai; acordos militares entre o Paraguai e os EUA).
Frente aos limites dos processos de articulação em curso, os governos da região criam a Comunidade Sul Americana de Nações – CASA, que une os países do Mercosul e da Comunidade Andina, Chile, Guiana e Suriname, “como opção para aprofundar a integração da economia regional, elevando o poder de barganha nas áreas hemisférica e internacional” (11). Mas a opção progressista da maioria dos governos faz com que não queiram reduzir a CASA a um mero instrumento de mercado. A Cúpula de Cochabamba, de dezembro 2006, manifesta a intenção dos governantes da região em ultrapassar uma união econômica. Na sua Declaração, eles afirmam que
“la construcción de la Comunidad Sudamericana de Naciones busca el desarrollo de un espacio integrado en lo político, social, cultural, económico, financiero, ambiental y en la infraestructura. Esta integración sudamericana no es sólo necesaria para resolver los grandes flagelos que afectan a la región, como son la pobreza, la exclusión y la desigualdad social persistentes, que se han transformado en los últimos años en una preocupación central de todos los gobiernos nacionales, sino que es un paso decisivo para lograr un mundo multipolar, equilibrado, justo y basado en una cultura de paz” (12).
E eles inscrevem no seu programa, além da pauta econômica, outros pontos: Agenda social sul-americana; Meio ambiente; Cidadania sul-americana; Identidade cultural e Participação cidadã no processo de integração.
Mesmo participando dessas iniciativas, Hugo Chavez e Evo Morales, talvez possam representar um outro modelo emergente que pretende se construir em oposição ao mercado dominante. Mercosul, CAN e Casa pretendem atuar conforme as regras do mercado liberal. Já, a Alternativa Bolivariana para as Américas – Alba, oficializada em 2004 pelos presidentes de Cuba e Venezuela, e que junta em várias iniciativas Venezuela, Cuba e, mais recentemente a Bolívia, segundo o Professor Emir Sader,
“ainda em estado embrionário, e sem prejulgar seu sucesso… é uma tentativa ambiciosa de integração regional que escapa às lógicas de mercado… “A Alba pretende ser o contraponto da ALCA. Pretende integrar economias dissimiles desde baixo, envolvendo a todos os atores econômicos e sociais – como cooperativas, pequenas empresas, empresas públicas, empresas privadas grandes, médias e pequenas -, priorizando o atendimento de problemas essenciais para a massa da população, como alimentação, moradia, indústria e meio ambiente. Enquanto que a ALCA não diferencia entre países grandes e pequenos, entre países com grandes recursos naturais, financeiros, energéticos e os outros, acentuando mecanismos em que ganham os mais fortes – neste caso, os EUA. Além disso, a ALCA pretende impor aos países critérios de segurança jurídica que favorecem as grandes corporações multinacionais, não se dispondo a atender aos países mais fracos (13).
Cooperação, complementaridade e solidariedade são palavras chave. É assim que a Venezuela, no seu Acordo com Cuba, por exemplo, troca petróleo por médicos e oftalmologistas. No entanto, essa oposição não significa ruptura com o modelo de desenvolvimento dominante nem com o seu mercado, já que o seu principal expoente, Hugo Chavez, assenta a sua proposta sobre a economia do petróleo. Tanto ele quanto Evo Morales querem que a renda propiciada pelos hidrocarbonetos sirva em prioridade para reorientar o desenvolvimento dos seus países para a população pobre, mas, além disso, Chavez aproveita dessa renda para alavancar o seu projeto de integração bolivariana. Esse modelo se apresenta com uma face venezuelana a tendências populistas e patriarcais e com uma face boliviana mais popular. Pois, se o governo venezuelano carece de movimentos sociais organizados para sustentar internamente seu projeto, não é o caso da Bolívia, cujo presidente, levado ao poder por um forte movimento social e étnico, é compelido a apresentar e defender um projeto de nação e de integração cuja centralidade esteja no resgate da autonomia do seu país e da dignidade e inclusão dos seus povos.
Talvez a questão da nacionalização das jazidas e das empresas de produção, transformação e comercialização de hidrocarbonetos possa ser vista como o começo de uma experiência de uma outra integração. Pois, países vizinhos, em particular o Brasil, afirmaram o direito do povo boliviano e do seu governo a exercer a sua soberania.
Gasodutos, sim, mas sob regras que beneficiam à população boliviana. Falta dizer e fazer com que esse gás seja distribuído para o bem real dos países e das populações dos países que o recebem.
Assim, a criação da Comunidade sul-americana de nações bem como a entrada da Venezuela no Mercosul e a intenção manifestada por Evo Morales de seguir o mesmo caminho, colocam novos ingredientes, não só para uma integração econômica no marco do mercado global, desejada e procurada dentro de um marco anti-hegemônico, não mais por países que aceitem sem contestar a sua subordinação e sua dependência, mas para uma integração orientada para a região. Têm como um de seus pilares um novo discurso político, de unificação dos nossos destinos, de reconhecimento das assimetrias, de solidariedade e de apoio mútuo.
Algumas questões que esses processos levantam.
1/ Fragmentação do território
Os Estados-nações eram também Estados-territórios. As nações se definiam pela extensão do seu território e a cidadania pelo pertencimento a esse território. A construção dos Estados da região pode ser interpretada como uma história de tensão permanente entre a busca de unificação do território e dos seus habitantes pelo poder econômico e político e as múltiplas resistências exercidas por populações inseridas em territórios extremamente diversificados, biológica e humanamente. Mesmo que certos setores tenham imposto certas formas de exploração do território nacional que marcaram a economia do país, tais como mineração, pecuária, culturas da cana ou do café, etc., cada país manteve uma fisionomia própria diversificada: países das pampas, dos chacos, dos cerrados, das serras e dos altiplanos, dos bosques boreais e das florestas tropicais, dos desertos e das caatingas, dos pantanais e dos humedales. Cada ecossistema com seus povos.
Subordinados ao mercado global, “os espaços de integração regional oficialmente definidos apontam para a padronização da diversidade, a uniformização espacial e a intenção de hegemonia cultural” (14). Por exemplo, a produção de soja ou de eucalipto e pinheiro uniformiza o espaço ao mesmo tempo em que exclui as populações locais das suas atividades tradicionais. Os espaços se tornam mero suporte para a atividade produtiva, sem a relação duradoura entre a atividade econômica e o ecossistema, que permite que uma realimente a outra; sem envolvimento da população local, que se torna obstáculo. E, quando não servem ao capital, são desprezados e abandonados. Essa integração, que desconsidera a diversidade dos ecossistemas, a fortiori ignora as populações locais na sua diversidade, étnica, de gênero, produtiva, cultural. Assim, “matrizes uniformizantes sobre territórios biodiversos consolidam a fragmentação dos espaços… Os Estados-Territorios procuravam a formulação de normativa de aplicação universal no interior do espaço da Nação, os processos de integração geram fragmentações orientadas pelos fluxos e reservatórios dos fatores de produção” (15). O desafio consiste em promover uma integração que barre a definitiva fragmentação, substituindo-a pela diversidade de projetos promovidos por atores e grupos sociais que se reconheçam plurais, mas solidários.

2/ Nacionalismos e Nações autônomas

Uma verdadeira integração exige Estados nacionais autônomos para que a integração não se comute em sub-imperialismo disfarçado ou não seja uma entregue total ao mercado global, como mencionado acima. Estado nacional autônomo não significam nacionalismo. O nacionalismo associa-se à defesa das fronteiras e da integridade do território nacional, tendo por isso mesmo um forte componente militar. Para prosperar, ele precisa do conflito, aberto ou velado, real ou artificial. O nacionalismo precisa de inimigo a quem se opor. Ele é facilmente acionado quando um governo precisa fortalecer a sua imagem ou justificar certas das suas ações, quando é preciso desviar a atenção de certos problemas, re-unificando a nação, quando ajuda a mascarar processos anti-nacionais. A ditadura militar brasileira cunhou assim a respeito da Amazônia brasileira o slogan Integrar para não entregar. A imprensa brasileira e certos setores políticos responderam à decisão da Bolívia de nacionalizar as jazidas e as indústrias de hidrocarbonetos com um apelo nacionalista rasteiro, lembrando que “as nações não têm amigos, só interesses”. Sob o discurso nacionalista, se esconde frequentemente interesses econômicos que pouco têm a ver com os verdadeiras interesses os povos. Mudam os interesses e muda o discurso, como o mostra a reivindicação de autonomia de alguns departamentos bolivianos. Como um filme em negativo, ela mostra como a noção de nação pode ficar subordinada a interesses econômicos.
Apesar de que os países reconheçam em tese a assimetria existente entre eles e queiram reduzi-la, o que tem ocorrido é que, ao mesmo tempo em que buscam construir uma política comum, defendem com unhas e dentes seus interesses. Quando o BNDES empresta dinheiro para obras em países vizinhos, o faz para financiar a produção de bens e serviços para essas obras no Brasil e para financiar as empresas brasileiras que vão executá-las. Atualmente, busca-se abrir o BNDES para que fomente atividades econômicas nos países vizinhos Mas, si é difícil falar de sub-hegemonia, é inegável que o Brasil se posiciona de modo a que sua liderança no processo de integração esteja garantida (16). Frente ao “rolo compressor” da Argentina e do Brasil, a tentação é grande para o Paraguai e o Uruguai aceitar e mesmo promover uma integração a qualquer custo.
Não se precisa de nacionalismos, mas de nações autônomas e de Estados soberanos fortes. E, para isso, precisa-se que cada povo tenha sua existência reconhecida dentro de cada nação, e que se reconhecem como povos que participam de um projeto de nação, não fundado sobre a oposição a outros povos e nações, mas sobre um projeto próprio que os integre num projeto regional.
3/ O modelo de desenvolvimento
Ao mirar os processos de integração em curso, o modelo de desenvolvimento pretendido pelos governos da região, para além das retóricas, não aparece ser outro, com algumas nuances, do que o que está em curso. Tratar-se-ia de aprofundar um modelo primário-exportador, com algumas poucas áreas de excelência industrial ou agrícola, sugando e destruindo os recursos naturais e, cada vez mais excludente do ponto de vista social.
O mais preocupante é que, admitindo que caminhemos para uma alternativa política, na nossa perspectiva, essa alternativa encontrará seus limites cedo. O modelo de desenvolvimento, proposto inclusive pelos que buscam uma outra integração, é fundado sobre o mesmo padrão de produção e consumo. Esse padrão chegou a tal grau de sofisticação e de integração de mercado que dificilmente pode permitir, no curto e no médio prazo, bifurcar e tomar outro rumo. Ele enreda os governos em redes tecnológicas, comerciais e financeiras tais que somente profundas crises e intenso apoio popular permitiriam iniciar as rupturas necessárias para construir uma alternativa real.
O segundo limite é devido ao fato que a maioria dos setores progressistas no poder ou que gravitam ao seu redor acreditam que somente o crescimento no quadro desse modelo permitirá fornecer empregos e reduzir assim a pobreza. Crença ou medo de enfrentar a construção dolorosa e pouco gratificante no quadro da política tradicional de um outro desenvolvimento? O certo é que essa opção faz com que os dirigentes políticos progressistas estejam mais próximos dos que manejam há décadas, e mesmo séculos, o modelo dominante do que dos que os levaram ao poder.
O terceiro limite está na crise estrutural provocada pelo modelo adotado. Crise de empregos, pois, mesmo que haja ainda lugar em nossos países para um crescimento real dos empregos, sempre mais pessoas são dispensáveis, tanto como produtoras quanto como consumidoras. Crise de cidadania, pois o mercado constituído sobre esse padrão de produção e consumo substitui a democracia substantiva por um faz-de-conta no qual os rituais eleitorais mal disfarçam a descartabilidade de parte da população. Crise ambiental, pois, se há maior sensibilidade para com as grandes crises ambientais que estão se gestando – água, energia, clima, solo e biodiversidade – essa sensibilidade não afeta, senão marginalmente, a máquina embalada do crescimento a qualquer custo.
II. A integração que construímos
A construção de uma integração só pode ser um processo histórico. Países e impérios se construíram e adquiriram identidade tanto em oposição a outros países e/o povos quanto por processos internos de afirmação e de pertencimento (construção da ocupação do território, do sistema jurídico, de valores, da função e dos aparelhos do Estado, as formas do desenvolvimento…). As guerras e os conflitos resultantes do fim de impérios e do colonialismo e da decadência de certos Estados, de um lado, e, do outro, do processo de transnacionalização do território sob a hegemonia neo-liberal, bem como a transformação do mundo em “aldeia global”, graças aos meios de comunicação, colocam limites aos Estados-nação/Estados-território. Não estamos aqui negando a soberania dos países da região sobre seus territórios, mas, frente à entrega dos nossos territórios à sanha do grande capital, já vemos que se quer reduzir os nossos Estados a guardiões da nova ordem econômica internacional, com seus aparatos ideológicos e repressivos voltados para a manutenção da ordem social e suas fronteiras se tornando barreiras de contenção às migrações. Enquanto isso, sempre mais pessoas se vêm excluídas de uma cidadania ativa. “A soberania nacionalista, construída sobre a idéia da existência de um Estado Nação em um território; e uma sociedade que se comporta como um grupo social, compartilhando interesses e objetivos” (17) está sendo destruída pelas mesmas classes dominantes que a defendem nos seus discursos, pois a sua manutenção serve a seus interesses escusos. Continua Achkar:
“Frente a estos procesos contradictorios: integración – fragmentación, las sociedades desde sus distintos niveles de organización, confrontan otras alternativas de integración de los territorios. Partiendo de la lógica de ocupación territorial, el territorio es aquella porción del espacio ocupado organizado y gestionado por una comunidad, como categoría densa que contiene la historia que lo contiene.
Desde esta interpretación el concepto de soberanía territorial se diferencia sustancialmente de la soberanía nacionalista: La soberanía territorial se asocia a la capacidad de una grupo social de construir la historia que contiene y esta contenida en un territorio concreto. La integración aparece entonces como la consolidación de diversidad de territorios soberanos, con instancias de gestión participativa de los bienes de la naturaleza que integran el espacio. La complementariedad entre esta diversidad de territorios constituye la matriz de esta integración territorial. Esta complementariedad es un proceso de creación diversa según los objetivos diferentes de cada grupo social que estructura su espacio”.
Esse processo de criação exige a participação diferenciada dos homens e das mulheres, para que não se reproduzam os esquemas de dominação de gênero e que a diversidade dos projetos seja realmente posta a prova. Portanto, resulta pouco provável a definição de uma matriz homogênea, de aplicação universal para a complementaridade territorial a nível regional.
Esta integração territorial não se opõe forçosamente à soberania nacional. Os Estados-nação, na medida em que se consegue inverter a sua identificação com as forças do mercado neo-liberal e com as classes dominantes, voltando a ser a expressão dos povos e das populações inseridas no seu território, são o ponto de partida da integração que buscamos. Partindo da afirmação das nossas soberanias nacionais assim entendidas e das expressões das nossas soberanias territoriais, a integração territorial parece tender a ser um processo que se deve construir a partir das experiências de cada grupo social. É isso que estamos ainda iniciando.
Reconhecemos que começamos um processo de integração por oposição ao modelo e às iniciativas já existentes. Antes de ser um projeto articulado de uma outra integração, é uma ação coletiva de resistência. Não poderia ser de outra forma já que não detemos os recursos e o poder de realizar e de influenciar decisivamente um projeto público de interação regional. Nosso “contra” não é de protesto por princípio ou por uma vaga utopia, mas de esperança numa transformação tanto possível quanto necessária:
1/quando juntos travamos lutas contra a Alca, a OMC, o FMI, a dívida externa, o expansionismo norte-americano, a militarização do sub-continente, a concepção de integração da IIRSA;
2/ e, mais próximo, por exemplo, contra a hidrovia Paraguai-Paraná, contra a hidrovia e represas do rio Madeira, contra o gasoduto norte-sul, contra os impactos sociais e ambientais das empresas de hidrocarbonetos, de produção de papel, celulose e carvão vegetal, contra uma siderurgia no Pantanal, contra a monocultura da soja e os transgênicos e, mais amplamente, contra uma agricultura baseada sobre um pacote tecnológico que concentra o poder nas mãos da agroindústria e tende a reconcentrar a terra, excluindo boa parte do campesinato; contra a transnacionalização de uma zona de glaciares entre o Chile e a Argentina para a mineração, etc.
3/ Quando apoiamos lutas em países vizinhos, por exemplo contra represas que afetam os Mapuches; uma usina nuclear na Patagônia, a repressão na Colômbia, a Petrobrás no Equador;
Essas lutas podem aparecer como ações meramente reativas, mas, ou porque é um projeto nosso em construção que nos faz reagir ou porque na própria reação e negação é que formulamos nossas alternativas, é nestas lutas de resistência que se esboça uma outra integração. Mas também esta se afirma positivamente:
1/ Quando dizemos que “Uma outra América Latina é possível” e fazemos do FSM e dos nossos encontros internacionais espaços de construção de integração, e, mais concretamente,
2/ quando defendemos uma agricultura camponesa, dentro dos marcos da soberania e da segurança alimentar e nutricional. Note-se que nosso projeto não é de integração das agriculturas da região, senão quando são claras as complementaridades, devido a tradições, climas, disponibilidade de espaço. A integração está na formulação de alternativas (o que pode significar integrar/descentralizar centros de pesquisa e tecnologia, certos elementos de agroindústria, por exemplo), na sua defesa e na sua implementação, cada um no seu país. A integração está na criação de movimentos como a Via Campesina e da CLOC e no debate travado por essas organizações e seus aliados, em particular sobre a soberania alimentar. Queremos dar prioridade á produção e aos mercados locais.
3/ quando propomos uma plataforma energética para a região que tenha como ponto de partida a soberania energética. A partir do questionamento dos usos da energia: quantidade e destino. Para indústrias eletro-intensivas e agricultura voltadas para exportação ou para indústrias locais e que agregam valores e para diminuir a igualdade social (cesta energética)? Para sustentar o transporte individual e o transporte rodoviário ou para promover o transporte público urbano, as ferrovias e a cabotagem e reduzir as necessidades de transporte de mercadoria, aproximando a produção do consumo? Com mais construções de hidroelétricas, termoelétricas, usinas nucleares, gasodutos e oleodutos (que não recusamos em bloco numa perspectiva de transição) ou dando ênfase às energias renováveis, à economia e à conservação de energia? Com energias renováveis entregues ao mercado ou energias sustentáveis, com controle social?
4/ quando nos juntamos na resistência à privatização da água e defendemos uma gestão pública e participativa dos usos da água;
5/ quando propomos que as regiões vistas por IIRSA como obstáculos à integração – ecossistemas ainda preservados, Altiplano andino, Chaco, Pantanal, Floresta Amazônica – sejam consideradas como regiões onde populações na sua maioria tradicionais (povos indígenas e/ou negros ou mestiço instalados há tempo nessas regiões nas quais desenvolveram formas de viver e de se reproduzir adaptadas ao ecossistema) possam assegurar a sua soberania territorial e, ao mesmo tempo, reforçar coletivamente, de maneira transfronteiriça, suas formas de produzir e de viver.
6/ quando, frente à IIRSA, propomos que as vias e comunicação priorizem as ligações entre territórios onde povos e setores da população constroem seus projetos diversificados de vida e de reprodução sustentáveis; entre as cidades e seu entorno, valorizando a produção camponesa e as suas estratégias de diversificação da agricultura e suas formas de gestão do território rural que garantem, por exemplo, o fornecimento de água de qualidade às cidades;
7/quando propomos que, frente ao modelo automotivo, sejam privilegiados os transportes coletivos;
8/ quando, frente ao mercado neoliberal, afirmamos o potencial da economia solidária;
9/ quando propomos que as atividades de empresas na região e os empreendimentos públicos tenham como referência o padrão de leis ambientais, sociais e trabalhistas mais alto dentro da região (18), sugerindo assim um caminho para uma regulação pública regional.
III. Os desafios
1/ Os setores sociais que valorizam a ascensão ao poder em vários países de presidentes de esquerda, sobretudo com Chaves e Evo Morales, se empolgam com as perspectivas de redução da dependência em relação à globalização neoliberal e de construção da integração regional. Mas será que significa mudanças profundas na maneira de fazer política e de conduzir o Estado? A maioria não se mantém distante dos movimentos sociais que os levaram ao poder?
Quanto a sua visão de desenvolvimento, não continua sendo uma visão tradicional? É o padrão de produção e de consumo atuais dominantes que continuam sendo a sua referência. Se preocupam com o trabalho, mas continuam pensando que o crescimento da economia vai resolver o problema. O meio ambiente é uma preocupação periférica. Continuam pensando que o meio ambiente não pode atrapalhar o desenvolvimento.
2/ Se os governos de esquerda pensam assim, é em parte por convicção e em parte por avaliar que a conjuntura, mundial e, freqüentemente, a nacional não lhes permitem se afastar dos cânones e das classes dominantes; mas também porque a maioria dos movimentos sociais tem a mesma concepção do desenvolvimento do que eles. O desafio é, portanto, convencer movimentos e organizações populares, sindicais e políticas e lideranças que não será possível qualquer integração na base do modelo atual. O marco desse diálogo é o questionamento da concepção de desenvolvimento corrente aceita de forma pragmática e, positivamente, avançar numa concepção de sociedade sustentável que oriente as opções políticas para a construção de uma integração sobre outros bases do que a meramente econômica.
3/ A credibilidade das nossas idéias é também ligada à aceitação de uma transição do modelo atual de desenvolvimento e do seu padrão de produção e consumo para formas diferenciadas de sociedades sustentáveis e à formulação de propostas dirigidas à economia e à política dominantes para, progressivamente, mudar seu padrão de atuação. Como, por exemplo, dialogar com uma empresa como a Petrobrás, misto de multinacional e de empresa pública? Mas devemos dialogar, por exemplo, com os produtores de soja e as empresas da cadeia? A “responsabilidade social” empresarial faz parte do nosso ofício?
Estamos assistindo – e até participando – a uma inflexão inquietante na atuação das ONGs e mesmo de movimentos sociais. Frente às pressões que sofrem da parte dos consumidores do “norte” e de governos, por causa em particular de compromissos assumidos com a assinatura de tratados internacionais, grandes corporações e certos setores da economia tentam melhorar a sua imagem ambiental. Para isso, buscam legitimidade no aval da sociedade civil. Em lugar de promover a soberania territorial e a integração na diversidade, insidiosamente, estaríamos legitimando a transnacionalização do território.
4/ No plano dos valores, há ainda um enorme caminho a percorrer para nos aproximar de uma idéia de integração que não seja meramente a busca de supremacia comercial. Por ocasião das medidas do presidente Evo Morales de nacionalização dos recursos de hidrocarbonetos e das empresas petrolíferas, as reações no Brasil da imprensa e de representantes das classes dominantes foram unânimes em dizer que os interesses do país devem passar antes de quaisquer considerações. Como disse um embaixador aposentado, citando um presidente norte-americano do passado: “um país não tem amigos, só tem interesses”. Repetiram em relação à Bolívia a mesma atitude de desprezo que têm em relação aos pobres no Brasil.
5/ É preciso um debate amplo sobre o Nacionalismo. Assistimos à emergência ou ao ressurgimento de nacionalismos que reeditem concepções que pouco ou nada têm a ver com a solidariedade na qual esperamos que uma integração seja fundada. Se identificamos melhor o nacionalismo que se esconde sob certos interesses econômicos e políticos transnacionalizados, vemos que o nacionalismo “patriótico”, assumido em particular pelas forças armadas, defensoras das fronteiras, é usado não somente pelos que querem uma integração estritamente de mercado quanto por setores políticos de esquerda. Para nós, a reflexão sobre a soberania territorial que iniciamos aqui indica um caminho para esse debate.
6/ Frente à fragmentação produzida pela integração promovida pelo grande capital, um importante desafio, para nós o mais fundamental, está em promover a diversidade. Nossa utopia, nosso projeto de construção de uma outra sociedade, não é de substituir um modelo único de produção e consumo e de mercado por outro, também único. Frente ao totalitarismo do mercado e das suas realizações no território, que não toleram a co-existência com a diversidade social e ambiental, estimamos que o futuro está na co-existência de projetos diferenciados de comunidades, de povos e de sociedades sustentáveis.
IV Algumas pistas
A guisa de conclusão, colocamos aqui uma reflexão elaborada sobre o Brasil, mas que, ao que nos parece, pode ajudar a pensar caminhos para a nossa integração (19). Para que esta utopia saia do estagio das experimentações e se generalize, é indispensável que se reduzam as relações de dependência. Isso passa pela recusa que a América do Sul continue sendo uma economia primário-exportadora. Não pregamos o isolamento dos nossos países e da região do resto do mundo, mas reafirmamos a necessidade desta região, com os recursos e a população que tem e com a sua abismal desigualdade, se voltar para um desenvolvimento mais endógeno. Necessitamos de novas e autênticas políticas de desenvolvimento que dêem prioridade aos mercados internos.
A produção industrial deve ser orientada neste sentido através de claras e permanentes políticas de estímulos ou desestímulos à produção, conforme o caso. Impostos, créditos e outros instrumentos que envolvam recursos públicos devem servir a este fim. Deve ser eliminado todo e qualquer subsídio ou outra forma de incentivo à produção de bens que não gere quantidade significativa de empregos, requeira o consumo intensivo de recursos naturais, seja de natureza altamente poluidora ou ameace a saúde dos trabalhadores envolvidos. Por outro lado, segmentos produtivos que atendam positivamente a estes requisitos deverão ser estimulados. Caso contrário, eles poderão ser fortemente taxados pelos danos causados à população e ao meio ambiente.
Tecnologias industriais de risco comprovado e de alto conteúdo energético devem ser objeto de restrições progressivas ou abandono. A introdução de novas técnicas e padrões de produção não pode permanecer subordinada à lógica do mercado e da rentabilidade financeira de curto prazo. A legislação e os recursos públicos podem viabilizar o desenvolvimento da ciência e tecnologia voltadas para este objetivo. A reutilização e reciclagem de sucatas e materiais, resíduos e subprodutos do próprio processo, bem como a redução do consumo de energia, água, matérias-primas e outros insumos em processos industriais devem ser objeto de estímulos específicos e as empresas responsabilizadas quando for o caso. Contra a sua obsolescência programada, deve ser visado o prolongamento da vida útil dos bens se consumo.
A retomada, o aprofundamento ou o início de verdadeiras Reformas Agrárias numa visão de sustentabilidade, continuam sendo um imperativo social e de desenvolvimento para a região. Agricultura familiar e reforma agrária têm que ser vistas também hoje, para além da função produtiva, como promotores da descompressão urbana, como fatores importantes da segurança alimentar e nutricional, por garantir potencialmente a diversidade fitogenética, a diversidade e qualidade alimentar, como prestadores de serviços públicos ambientais, pela produção e manutenção das águas, da biodiversidade, etc..
Precisa urgentemente adquirir, do poder público à sociedade, uma visão que pensa o território e as forças sociais atuantes nele, para que as políticas e as ações possam ser decididas numa perspectiva mais totalizante e pactuada. Contra a lógica desterritorializante da globalização, queremos a sustentabilidade dos lugares, que exige respeito a diversidade cultural e ecológica, regulação social sobre o uso dos lugares e pactos territoriais. Quanto às políticas industriais, especial atenção deve ser dada aos padrões de localização da indústria. Por um lado, deve ser incentivada a desconcentração geográfica da produção, de modo a estimular atividades compatíveis com cada uma das regiões e cada localidade, aproximar a produção do consumo, economizando assim energia e produzindo empregos mais descentralizados. Mas, do outro, deve ser combatida a de localização predatória, orientada pelo menor custo trabalhista, social e ambiental.
Contra o cerceamento do meio ambiente em áreas circunscritas a Unidades de Conservação, deixando o resto do território livre para a exploração e depredação, queremos uma política que percebe o meio ambiente como inserido na trama do território, nos espaços de produção, de residência, de deslocamento, de serviços. A gestão do meio ambiente não pode estar, de um lado, restrita a um Ministério e, do outro, entregue, como no caso da produção de grãos no Cerrado e na Amazônia e da Água, a interesses econômicos. Em particular, a gestão da água não se resolverá por acordos entre “usuários” em instâncias em que os interesses difusos da sociedade e do país não estejam ativamente representados. A necessidade vital de dispor da energia suficiente para um desenvolvimento endógeno e a supressão das enormes desigualdades existentes exige também uma visão de território e o debate societário o mais amplo e esclarecido possível. O desenvolvimento do transporte público de massas, do transporte de cargas por via marítima e ferroviária deve ocupar boa parte do espaço hoje ocupado por automóveis e caminhões.
As cidades não podem ser vistas como plataformas que viabilizam nossa “globalização”, subordinando todas as questões urbanas a essa estratégia. Ë precisa resgatar o sentido da cidade como lugar da vida, individual e societária, à qual o desenvolvimento deve estar subordinado, e lugar de vivência de uma cidadania mais igualitária. Precisa de políticas nacionais que agem sobre a construção do urbano no conjunto do território e que promovem as necessárias mudanças de estrutura de poder e de gestão nas metrópoles.
As proposições formuladas aqui supõem mudanças profundas na cultura política. Em particular, sublinhamos aqui a necessidade de enraizar a prática do controle público e da sociedade sobre as instâncias que travam discussões e tomam decisões que afetam nosso futuro.
No que diz respeito aos processos de privatização dos serviços públicos, que envolvem setores como os de energia elétrica, telecomunicações, petróleo, construção e manutenção de rodovias, portos e aeroportos, saneamento básico, abastecimento de água, transporte urbano e suburbano, entre outros, além de exigir que sejam estancados e revertidos, impõe-se a necessidade de assegurar o controle público sobre esses serviços. Pois os serviços públicos serem rotulados de “públicos” não garante uma gestão ao serviço da população. Isso supõe uma redefinição dos órgãos de gestão e controle dos serviços públicos, no sentido da sua capacitação para assumir as atividades de regulação e fiscalização destas atividades; a criação ou o fortalecimento de conselhos, comissões, etc., com quadros da função pública preparados para isso e recursos próprios e a participação de setores da sociedade civil que tenham legitimidade para representar os interesses difusos da sociedade. As representações do setor privado, da área científica, das ONGs e das organizações sindicais e populares deveriam passar por órgãos colegiados cuja representatividade fosse reconhecida ou, quando não houver, por consultas tão amplas quanto possível.
Embora os Estados estejam se desfazendo da produção direta de bens, as instâncias regionais públicas em construção não podem renunciar a seu papel orientador de políticas de desenvolvimento econômico e social nos termos definidos acima. Mas não cabe mais que tais políticas, que colocam em jogo o futuro do conjunto da sociedade, de um lado, sejam totalmente subordinadas à política financeira e cambial e, do outro, sejam discutidas unicamente pela tecnoburocracia supostamente especializada e pela parte do setor privado que mais se afina com a abertura econômico regional. Cabe reforçar os órgãos públicos especializados voltados para isso, mas também submetê-los – e as políticas e propostas de desenvolvimento – à discussão pública.
Notas
(1) A Comunidade andina de Nações – CAN – criada em 1996, é constituída por Bolívia, Colômbia, Equador e Peru.
(2) O Mercosul foi criado em 1991 por Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai, e formalizado em 1994. A venezuela passou a integrá-lo em 2006.
(3) Aliança Social Continental – ASC, Campanha Brasileira contra ALCA/OMC, Rede brasileira pela Integração dos Povos – Rebrip. Integração na América Latina. Subsídios para debater a integração dos povos. Cadernos de formação 3. ASC, Campanha, Rebrip, São Paulo, Rio de Janeiro, 2006.
(4) Camargo, Sônia. União Européia e Mercosul: Convergências e Divergências, IRI Textos, Nº 22, setembro de 1999, IRI-PUC/RJ
(5) Aliança Social Continental – ASC, Campanha Brasileira contra ALCA/OMC, Rede brasileira pela Integração dos Povos – Rebrip. Op.cit:10.
(6) Ver Achkar, Marcel. Una visión territorial de la integración. Cono Sur Sustentable/Rede Amigos de la Tierra Uruguay. Manuscrito. 2006.
(7) Carvalho, Guilherme. A integração Sul-americana e o Brasil: O protagonismo brasileiro na implementação do IIRSA. Fase, Belém, 200: 21.
(8) Idem: 71.
(9) De Ovando, Lino Solis y Larrain Sara. Anillo energético sudamericano. Desafíos para la integración energética del Conosur. Chile sustentable, Santiago, 2005.
(10) Seminario IIRSA, BNDES, 23 de noviembre de 2005.
(11) Aliança Social Continental – ASC, Campanha Brasileira contra ALCA/OMC, Rede brasileira pela Integração dos Povos – Rebrip. Op.cit: 26.
(12) II cumbre de jefes de estado de la comunidad sudamericana de naciones. Declaración de Cochabamba – Colocando la piedra fundamental para una unión sudamericana. 8 y 9 de diciembre de 2006.
(13) Sader, Emir. Alternativas latino-americanas. Le Monde Diplomatique, Edições mensais, fevereiro 2006.
(14) Achkar, id.
(15) Ibidem.
(16) Ver Carvalho, Guilherme. A Integração Sul-Americana e o Brasil: O protagonismo brasileiro na implementação da IIRSA. Fase, Belém/PA, 2004.
(17) Achkar. Id.
(18) ver o artigo de Julianna Malerba e Maria Elena Rodriguez. Extraterritorialidad y derechos humanos: el doble estándar de la Petrobrás em Yasuní (Ecuador). In Leroy Jean Pierre y Malerba, Julianna. Petrobrás: ¿integración o explotación”, Fase, Rio de Janeiro, 2005.
(19) Este capítulo foi elaborado a partir do conjunto de estudos do Projeto Brasil Sustentável e Democrático.

Eduardo Tamayo G. (ALAI).- La Unión de Naciones Suramericanas (UNASUR), order “tiene que tener la representación de las bases sociales de nuestros países, cure una ilustrada representación”, find manifestó en Quito el flamante secretario ejecutivo de la entidad, Rodrigo Borja Cevallos.
Rodrigo Borja, de tendencia socialdemócrata y ex Presidente del Ecuador (1988-1992), dio a conocer a la prensa su aceptación a la propuesta que le hicieran 12 presidentes sudamericanos para que asumiera la Secretaría Ejecutiva de UNASUR.

En un contexto de post-guerra fría en el que se han consolidado las potencias vencedoras de la confrontación Este-Oeste y las corporaciones transnacionales se han convertido en grandes imperios globales, que tienden a suplantar a los Estados en el ejercicio de la soberanía y de la potestad política, la “integración se presenta como un instrumento indispensable para el desarrollo de los países pobres de Asia, África y América Latina”, sostuvo Borja.

La idea de conformar la entidad regional surgió el 8 de diciembre de
2004 en la ciudad peruana del Cuzco, donde 8 presidentes acordaron conformar la Comunidad Sudamericana de Naciones. Con el triunfo y consolidación de gobiernos de corte progresista y nacionalista en la región, la integración fue retomada con fuerza, particularmente en la II Cumbre de la Comunidad Sudamericana de Naciones, que se celebró el 8 y 9 de diciembre de 2006 en Cochabamba, Bolivia. Durante la I Cumbre Energética, realizada en Isla Margarita, Venezuela, el 16 y 17 de abril de este año, los presidentes dieron un paso en firme para consolidar la unidad sudamericana, esta vez bajo un nuevo nombre: UNASUR. En esa reunión, el presidente ecuatoriano Rafael Correa propuso el nombre de Rodrigo Borja, candidatura que ha sido aceptada por los otros mandatarios sudamericanos.

Para Borja, UNASUR, “tiene que ser una entidad pequeña, austera, que no produzca la inflación de muchas entidades regionales, que maneje, además, un lenguaje austero, no la retórica espumosa a lo que estamos acostumbrados, y cuya pequeña burocracia debe tener un carácter transnacional, multinacional”.

La sede de la nueva entidad será la ciudad de Quito y más específicamente la Mitad del Mundo, una población ubicada a 20 kilómetros al norte de la capital por donde pasa la línea equinoccial. .
“Estoy informado de que hay una muy interesante propuesta del célebre arquitecto brasileño Oscar Niemeyer para construir allí la sede de la nueva organización”, indicó Borja. Niemeyer, nacido en 1907, fue el diseñador del edificio de las Naciones Unidas en Nueva York y el gran inspirador y diseñador de la ciudad de Brasilia.

Los lineamientos principales que debe seguir UNASUR, a criterio del flamante secretario ejecutivo, son los siguientes:

-Avanzar hacia la integración económica y política regional, aprovechando los logros y también las frustraciones de los procesos integracionistas subregionales, que han de ser considerados como una primera, fructífera y fundamental etapa de la integración regional.
– Armonizar, articular, priorizar los numerosos proyectos e iniciativas de integración regional creados en diferentes momentos y oportunidades, especialmente en las cumbres presidenciales.
– Impulsar la cooperación Sur-Sur con el fin de encontrar en la unión, la fuerza de los países pobres para defender sus intereses frente a los grandes bloques geopolíticos y neoeconómicos y frente a las corporaciones transnacionales de escala planetaria que se han consolidado en el mundo.
– Corregir las asimetrías e inequidades de la globalización a fin de que ella produzca beneficios globales, es decir, beneficios para todos. La globalización es ineludible, puesto que está impulsada por los grandes países industriales, pero es imprescindible eliminar sus inequidades.
– Contribuir a bajar las tensiones que, por diferentes motivos y causas, se han producido entre varios Estados de la región.
– Impulsar el desarrollo sustentable, es decir el desarrollo compatible con la protección y defensa de la naturaleza.
– Propugnar el avance científico y tecnológico de la región, puesto que en la sociedad del conocimiento el saber y la información son los “insumos” con que funcionan los modernos instrumentos de la producción.
– Promover y priorizar las numerosas obras de integración física proyectadas en los campos de la energía, vialidad, telecomunicaciones, transportes y muchos otros.

“Hay que armonizar la entidad regional que va a crearse con las entidades subregionales de integración que existen ya, en plena operación, en nuestra América, el paso que hay que dar es ir de lo subregional en materia de integración a lo regional”, expresó Borja, quien agregó, que elaborará un estatuto orgánico fundacional de UNASUR que será sometido a consideración de los presidentes sudamericanos. La próxima cumbre presidencial de UNASUR se realizará en Cartagena, Colombia, posiblemente en octubre de este año.

Quito Capital de la solidaridad

Quito, que en días pasados fue designada capital de UNASUR, hoy tiene un nuevo título: “capital de la solidaridad”, sostuvo el alcalde de esta ciudad, Paco Moncayo, en el acto de presentación del V Encuentro Continental de Solidaridad con Cuba que se llevará a cabo del 26 al 28 de octubre próximo.

El V Encuentro es parte de un movimiento de solidaridad que irrumpe a inicios de la década de los ’90 cuando comienza a estrecharse el cerco contra Cuba, destacó el embajador de ese país en Ecuador, Benigno Pérez.

“Cuando más duro fue el bloqueo, más solidaridad hubo en el mundo con Cuba; cuando más mentiras se dijeron sobre la realidad cubana, más creció el número de Asociaciones de Solidaridad y más se destacó el movimiento en contra del bloqueo”, acotó.
El evento, que por primera vez se realizará fuera de Cuba, espera congregar a más de mil delegados para fortalecer la red de solidaridad y estrechar los lasos de amistad con la isla. El temario contempla:
bloqueo económico y político a Cuba, libertad de los cinco patriotas cubanos presos ilegalmente en Estados Unidos, violación a los Derechos Humanos por parte de los gobiernos de los Estados Unidos a Cuba, Ley Torricelli, y proyectos de cooperación mutua entre los pueblos: en salud, educación, economía solidaria, cultura y deportes.
Este encuentro se propone igualmente impulsar desde la solidaridad la participación de la integración latinoamericana en el ALBA de los pueblos, basada en las ideas de Simón Bolívar y José Martí.

Eduardo Tamayo G. (ALAI).- La Unión de Naciones Suramericanas (UNASUR), ask “tiene que tener la representación de las bases sociales de nuestros países, una ilustrada representación”, manifestó en Quito el flamante secretario ejecutivo de la entidad, Rodrigo Borja Cevallos.
Rodrigo Borja, de tendencia socialdemócrata y ex Presidente del Ecuador (1988-1992), dio a conocer a la prensa su aceptación a la propuesta que le hicieran 12 presidentes sudamericanos para que asumiera la Secretaría Ejecutiva de UNASUR.
En un contexto de post-guerra fría en el que se han consolidado las potencias vencedoras de la confrontación Este-Oeste y las corporaciones transnacionales se han convertido en grandes imperios globales, que tienden a suplantar a los Estados en el ejercicio de la soberanía y de la potestad política, la “integración se presenta como un instrumento indispensable para el desarrollo de los países pobres de Asia, África y América Latina”, sostuvo Borja.
La idea de conformar la entidad regional surgió el 8 de diciembre de
2004 en la ciudad peruana del Cuzco, donde 8 presidentes acordaron conformar la Comunidad Sudamericana de Naciones. Con el triunfo y consolidación de gobiernos de corte progresista y nacionalista en la región, la integración fue retomada con fuerza, particularmente en la II Cumbre de la Comunidad Sudamericana de Naciones, que se celebró el 8 y 9 de diciembre de 2006 en Cochabamba, Bolivia. Durante la I Cumbre Energética, realizada en Isla Margarita, Venezuela, el 16 y 17 de abril de este año, los presidentes dieron un paso en firme para consolidar la unidad sudamericana, esta vez bajo un nuevo nombre: UNASUR. En esa reunión, el presidente ecuatoriano Rafael Correa propuso el nombre de Rodrigo Borja, candidatura que ha sido aceptada por los otros mandatarios sudamericanos.
Para Borja, UNASUR, “tiene que ser una entidad pequeña, austera, que no produzca la inflación de muchas entidades regionales, que maneje, además, un lenguaje austero, no la retórica espumosa a lo que estamos acostumbrados, y cuya pequeña burocracia debe tener un carácter transnacional, multinacional”.
La sede de la nueva entidad será la ciudad de Quito y más específicamente la Mitad del Mundo, una población ubicada a 20 kilómetros al norte de la capital por donde pasa la línea equinoccial. .
“Estoy informado de que hay una muy interesante propuesta del célebre arquitecto brasileño Oscar Niemeyer para construir allí la sede de la nueva organización”, indicó Borja. Niemeyer, nacido en 1907, fue el diseñador del edificio de las Naciones Unidas en Nueva York y el gran inspirador y diseñador de la ciudad de Brasilia.
Los lineamientos principales que debe seguir UNASUR, a criterio del flamante secretario ejecutivo, son los siguientes:
-Avanzar hacia la integración económica y política regional, aprovechando los logros y también las frustraciones de los procesos integracionistas subregionales, que han de ser considerados como una primera, fructífera y fundamental etapa de la integración regional.
– Armonizar, articular, priorizar los numerosos proyectos e iniciativas de integración regional creados en diferentes momentos y oportunidades, especialmente en las cumbres presidenciales.
– Impulsar la cooperación Sur-Sur con el fin de encontrar en la unión, la fuerza de los países pobres para defender sus intereses frente a los grandes bloques geopolíticos y neoeconómicos y frente a las corporaciones transnacionales de escala planetaria que se han consolidado en el mundo.
– Corregir las asimetrías e inequidades de la globalización a fin de que ella produzca beneficios globales, es decir, beneficios para todos. La globalización es ineludible, puesto que está impulsada por los grandes países industriales, pero es imprescindible eliminar sus inequidades.
– Contribuir a bajar las tensiones que, por diferentes motivos y causas, se han producido entre varios Estados de la región.
– Impulsar el desarrollo sustentable, es decir el desarrollo compatible con la protección y defensa de la naturaleza.
– Propugnar el avance científico y tecnológico de la región, puesto que en la sociedad del conocimiento el saber y la información son los “insumos” con que funcionan los modernos instrumentos de la producción.
– Promover y priorizar las numerosas obras de integración física proyectadas en los campos de la energía, vialidad, telecomunicaciones, transportes y muchos otros.
“Hay que armonizar la entidad regional que va a crearse con las entidades subregionales de integración que existen ya, en plena operación, en nuestra América, el paso que hay que dar es ir de lo subregional en materia de integración a lo regional”, expresó Borja, quien agregó, que elaborará un estatuto orgánico fundacional de UNASUR que será sometido a consideración de los presidentes sudamericanos. La próxima cumbre presidencial de UNASUR se realizará en Cartagena, Colombia, posiblemente en octubre de este año.
Quito Capital de la solidaridad
Quito, que en días pasados fue designada capital de UNASUR, hoy tiene un nuevo título: “capital de la solidaridad”, sostuvo el alcalde de esta ciudad, Paco Moncayo, en el acto de presentación del V Encuentro Continental de Solidaridad con Cuba que se llevará a cabo del 26 al 28 de octubre próximo.
El V Encuentro es parte de un movimiento de solidaridad que irrumpe a inicios de la década de los ’90 cuando comienza a estrecharse el cerco contra Cuba, destacó el embajador de ese país en Ecuador, Benigno Pérez.
“Cuando más duro fue el bloqueo, más solidaridad hubo en el mundo con Cuba; cuando más mentiras se dijeron sobre la realidad cubana, más creció el número de Asociaciones de Solidaridad y más se destacó el movimiento en contra del bloqueo”, acotó.
El evento, que por primera vez se realizará fuera de Cuba, espera congregar a más de mil delegados para fortalecer la red de solidaridad y estrechar los lasos de amistad con la isla. El temario contempla:
bloqueo económico y político a Cuba, libertad de los cinco patriotas cubanos presos ilegalmente en Estados Unidos, violación a los Derechos Humanos por parte de los gobiernos de los Estados Unidos a Cuba, Ley Torricelli, y proyectos de cooperación mutua entre los pueblos: en salud, educación, economía solidaria, cultura y deportes.
Este encuentro se propone igualmente impulsar desde la solidaridad la participación de la integración latinoamericana en el ALBA de los pueblos, basada en las ideas de Simón Bolívar y José Martí.

Ramiro Xavier Vera-Fluixá

Al igual que los lazos comunes existentes en la historia de América Latina y Europa1, online es posible observar lazos comunes, nexos, influencias y determinantes mutuas en la evolución misma de ambos procesos de integración regional, de sus principios y mecanismos.
En efecto, si fuese tan fácil representar el fenómeno de la integración regional a través de una línea, las líneas de la integración de Europa y de América Latina atestiguarían, inclusive desde sus comienzos, un constante entrecruzamiento de características comunes, intervalos de influencias mutuas, seguidos contínuamente de alejamientos y desviaciones, del correr paralelo, para volver a confluir en un nuevo punto de encuentro.
>Descargar PDF