Workshop "Emerging crises: De-globalisation? Opportunities and challenges for regional alternatives" (WSF, Belem)

When the Association of Southeast Asian Nations (ASEAN) announced that it will embark on a process of building a Charter to formalize its agreements and establish its legal framework, civil society groups paid attention. While ASEAN has been generally inaccessible and non-transparent, national and regional CSOs and social movements saw the strategic value of engaging the Charter process. We saw it as a space to stake claims on ASEAN and to demand accountability for its actions. We saw the Charter building process as an anchor for discussing ASEAN and generating interest on what the Association does. By engaging the process, CSOs and social movements hoped to pry open possibilities for transforming ASEAN into a rules-based organization that would work for the mutual benefit not only of ASEAN states but of ASEAN peoples and communities as well.

The Solidarity for Asian Peoples’ Advocacies (SAPA) Working Group on ASEAN invested time and energy to engage the ASEAN Charter building process. SAPA WG on ASEAN made three formal submissions to the Eminent Persons Group (EPG) – on the Political-Security Pillar (EPG consultation, Ubud, Bali/April 2006), on the Economic Pillar (EPG consultation, Singapore/June 2006), and on the Socio-Cultural Pillar and Institutional Mechanisms (Meeting with Ambassador Rosario Manalo, Special Adviser to Mr. Fidel V. Ramos, EPG Member for the Philippines, Manila/November 2006). The WG also participated in the only regional consultation held by the High Level Task Force (HLTF) on the drafting of the ASEAN Charter in March 2007 in Manila, and reiterated the main points of its submissions. Aside from the regional consultations that the SAPA WG on ASEAN worked hard to intervene in, the different network members also initiated national processes in 2006 and 2007 to help introduce ASEAN to civil society and inform them of the Charter that was being drafted.

The Charter drafting had been kept away from public access and scrutiny,
making difficult any engagement in the process. The Charter will be signed
on November 20th during the 13th Leaders Summit, but it was only on November 7th, when a copy of the final draft adopted by the High Level Task Force on the drafting of the ASEAN Charter was leaked to the media, that the Charter finally became known to the public.

The Charter is a disappointment. It is a document that falls short of what
is needed to establish a “people-centered” and “people-empowered” ASEAN. It succeeds in codifying past ASEAN agreements, and consolidating the legal framework that would define the Association. However, it fails to put people at the center, much less empower them. The Charter is all about how Governments will interact with each other, but not about how they also should interact with the people. There are no clear spaces created or procedures established to institutionalize the role of citizens and civil society organizations in regional community-building. And where the Charter is able to protect sovereign interest of Governments, and enshrine confidence building though consensus, it lacks the necessary details for the settlement of disputes, dealing with internal conflicts, and disciplining or sanctioning Members who are remiss in their obligations.

The market-oriented language of the Charter expresses its bias for the
economic project in the region, without recognition that this may be in
conflict with the social and economic justice that the Charter is also
supposed to uphold. The centrality of redistribution and economic solidarity
to the goals of poverty eradication, social justice and lasting peace, is not acknowledged. Furthermore, the market orientation betrays the preference for a “one-size fits all” economic policy of trade and financial liberalization, failing to recognize the heterodox economic thinking that formed the basis of economic successes in the region in the past.

The Charter is gender blind and does not recognize the primacy of the
regional environment.

Finally, the landmark inclusion of human rights in the Preamble and in the
statement of Principles is belied by the lack of detail in the long-awaited
human rights body.

Following are the SAPA WG on ASEAN’s specific comments on the Charter:

Preamble

1. The opening paragraph sets the tone for the entire Charter,
highlighting the priority of the government over the individual citizen. A
truly people-centered ASEAN should establish that governments are there to
serve the needs and interests of citizens, and governments who fail in their
duties and responsibilities should not be protected by ASEAN. A braver
opening line should read, “WE, THE PEOPLES of ASEAN”, rather than “WE, THE PEOPLES of the Member States of ASEAN”.

2. Human rights are overarching and should form the basic principle of
ASEAN from which all other principles flow. In this sense, human rights
should be integral in all the work of ASEAN. Instead, human rights is
placed low down on the list as a specific issue in Articles 1 and 2), and,
symbolically, placed beneath the principles of sovereignty and
non-interference.

3. While the Preamble and Chapter 1 uphold human rights and fundamental
freedoms, the draft Charter only explicitly states adherence to the UN
Charter, International Law and international humanitarian law, but does not explicitly recognize universally accepted human rights principles, including the Universal Declaration of Human Rights and recently signed international agreements that expand on human rights, norms and standards. The reference to adherence to the “rule of law, good governance and the principles of democracy and constitutional government” in Article 2h, however, may be a good handle to demand for the implementation of these principles in every member-state, especially in the case of Burma.

4. No mention is made of the role of ASEAN in the protection of the
environment.

Chapters 1: Purposes and Principles

5. Article 1.5 and Article 2n, related to market and trade, are the
most bothersome. These provisions explicitly talk only about “facilitating
the movement of business persons and professionals”, “the free-flow of
capital”, and “the elimination of all barriers to market-driven economy”,
but do not provide at all for the promotion of redistributive justice,
poverty eradication and growth with equity – ideals equally important to
advance in a regional set-up, nor do they recognize social dialogue and core labor standards. These also fail to give importance to the role state
instruments and cooperation in achieving social goals.

6. The same paragraph mentions the movement of “business persons,
professional, talents, labour” but does not make explicit reference to
migrant workers who make up a significant part of regional labor flows.
There is also no reference to the movement of other people such as asylum
seekers.

7. Article 1.7 qualifies the promotion and protection of human rights
“with due regard to the rights and responsibilities of the Member States of
ASEAN”. This wording is dangerous, because it undermines the fundamental elements of the universality and inalienability of human rights. It is not made clear what these “rights and responsibilities” of member states are, leaving the way open for governments to violate human rights in the pursuit of their self-defined “national interest”.

8. The provision on sustainable development, protection of the region’s
environment and sustainability of natural resources in Article 1.9 was put
in the same plane as the reference to “high quality of life of its people”,
clearly reinforcing the dominance of the economic agenda of the ASEAN over environmentally sustainable development.

9. Most of the statements are mother/parenthood statements and much is
left to further interpretation and how it is going to be concretely
operationalized in the ASEAN. Does the language in Article 1.4 referring
to “just, democratic, harmonious environment” and Article 1.11 on
“.providing them with equitable access to opportunities for….justice”
translate to agrarian reform/access and control over natural resources? Will the language in Article 9 on “sustainable development” mean the upliftment of the lives of small-scale farmers, fishers, and the rest of the rural poor and the promotion of sustainable agriculture and the non-promotion of the chemical intensive, bio-technology/GMO agriculture? Does Article 1.13 on “people-oriented ASEAN” include all sectors, including organizations of the rural and urban poor, as well as semi-skilled workers, including migrant workers?

10. While Article 1.13 states that participation of all peoples is encouraged, nowhere in the Chapter does it explicitly state how this will be actualized. The Charter does not create consultative and advisory mechanisms
comprised of non-state actors and civil society groups, with adequate
representation from all sectors. Neither does it create a mechanism for
regularly engaging citizens within the region.

11. Article 1.14 needs to make specific reference to indigenous peoples,
rather than simply referring to “diverse culture” which is too general.

12. Article 2.2e needs to establish that states also have a “responsibility
to protect”, that is, the responsibility to protect people from gross
violations of human rights. All ASEAN heads of state and government
accepted this concept of the “responsibility to protect” at the UN World
Summit in September 2005.

13. Article 2.2h/i makes no mention as to what happens, such as sanctions,
if states do not adhere “to the rule of law, good governance, the principles
of democracy and constitutional government” or “respect for fundamental
freedoms, the promotion and protection of human rights, and the promotion of social justice.”

Chapter 3: Membership

14. The principle of non-interference (Preamble, Chapter 1, Article 2e/f)
that characterizes the “ASEAN Way” is further reaffirmed in the Charter.
However, we believe that exceptions must be made for clearly defined
regional standards for state behavior, particularly on human rights and
environment, serious breaches of which may carry ASEAN-imposed sanctions.

15. While on the whole we agree that there should be equality of rights and
obligations among Members, there should also be a socializing factor whereby better resourced members are able to contribute to special funds to assist other members in the spirit of solidarity, cooperation, and regional redistribution.

Chapter 4: Organs

16. The Charter provides for the establishment of a human rights body,
committing all member states to its creation. However, no further details
are included regarding the setting up of the body, its roles and
responsibilities, or the timeframe for its creation. Considering the more
than a decade of work many sectors have put into the creation of an ASEAN human rights mechanism, the Charter should have had more details in it, and not run the risk of making this landmark provision inconsequential in operation.

17. There will be more meetings (of the ASEAN Leaders and the Foreign
Ministers, and of the new organs created in the Charter), but it is unclear
how these additional meetings and new organs will bring about a
people-centered ASEAN. Almost all of the organs remain state- or
government-oriented.

18. Article 15 redefines the role of the ASEAN Foundation as a collaborator
with the different ASEAN bodies in support of “community-building’. It is
only under this article that “civil society” is mentioned. This redefinition
seems to imply that the ASEAN Foundation now becomes captured by purely official ASEAN agenda. Whereas before CSOs could apply for support without getting ASEAN accreditation or approval (and the ASEAN Secretariat sits only ex-officio in the Board), the ASEAN Foundation now becomes an internal entity to serve official ASEAN agenda.

19. In outlining the main decision making organs within ASEAN, there is not a single mention of engagement with citizens and civil society (except in the context of the ASEAN Foundation), or the means by which citizens and civil society can influence decisions and processes of the ASEAN.

20. Gender equality in the choice of officials in the ASEAN bodies is only
mentioned under the provisions on the Secretary General, but is absent
everywhere else.

Chapter 5: Entities Associated with ASEAN

21. Unfortunately we are unable to obtain a copy of the annexes, including
Annex 2 which supposedly lists the entities associated with ASEAN. The
expectation is that this is where citizens and civil society participation
is institutionalized in the ASEAN, but even this is not certain. Like a few
other bodies created in the Charter, the entities mentioned here are yet
undefined, with rules and criteria for engagement still to be determined by
the yet to be formed Committee of Permanent Representatives .

Chapter 7: Decision-Making

22. Chapter 7 still puts premium on consensus as the institutional and the
preferred mode of decision-making. The affirmation of consultation and
consensus actually encourages unanimity based on the least common
denominator, and leaves much room for recalcitrant members to sabotage any consensus building processes around democratic values and the principles of the rule of law and good governance. Furthermore, to leave it to the ASEAN Summit to decide on a specific decision making process should consensus not be achieved allows for even greater leeway for political accommodation for which the ASEAN is historically known.

23. The Charter does not specify any space for citizens and civil society
groups in policy-and decision-making, detracting from the essence of
consultation and consensus-building by not affirming the people-centered
principle of building regional identity through people’s participation.

24. Chapter 7 Article 21 leaves the prescription of each ASEAN Community Council’s rules of procedure to each council. There should be a mechanism to standardize the procedures for all councils.

Chapter 8: Settlement of Disputes

25. Disputes implied in the Charter only cover conflicts between and among ASEAN states, and do not address internal conflicts which are also
significant in the region.

26. Except for disputes concerning economic agreements, for which the ASEAN Protocol for Enhanced Dispute Settlement Mechanism shall govern, the Charter provides for the establishment of dispute settlement mechanisms but for which no process or timeframe has been prescribed.

27. The issue of compliance is not addressed organically, except for cases
to be referred to the ASEAN Summit for decision, limiting the efficacy of
the to-be-established DSMs because the Summit by practice would yield to
political exigencies.

28. The Charter does not recognize the need to establish conflict
prevention and early warning mechanisms at the regional level with the
involvement of citizens and civil society with demonstrated capacity to
assist in conflict situations.

Chapter 9: Budget and Finance

29. Aside from provisions on “internal and external audit”, the Charter
does not provide clear mechanisms for how the budget and finance of the
Association can be made transparent and accessible to the public.

Chapter 10: Administration and Procedure

30. The ASEAN Charter does not mention how Chairmanship by countries whose leadership faces legitimacy questions shall be dealt with.

31. The choice of English as the working language of ASEAN, without
reference to the use of regional languages for at least some purposes,
leaves a big gap in terms of the need to promote national languages as a
means to promote and protect the cultural heritage of the region.

32. The Charter does not provide for clear mechanisms for transparency and access to official information, and official processes, in the ASEAN.

Chapter 12: External Relations

33. Article 41.4 states that “in the conduct of external relations of
ASEAN, Member States shall, on the basis of unity and solidarity, coordinate and Endeavour a common position and pursue joint actions”. This is a bold statement that affirms the centrality of ASEAN. Considering the less-than-unified positions espoused by individual Member Countries in multilateral fora (e.g. the WTO) in the past, it is interesting to know how
the ASEAN would go about crafting common positions after the Charter is
signed.

34. Consistent with the overall absence of the role of citizens and civil
society in ASEAN, the Charter does not say anything about their role in
helping ASEAN to develop and to determine its foreign policy, and in
determining the status of external partners of ASEAN.

35. Considering the importance of migrant workers and their families in the
conduct of ASEAN’s external relations, the absence of any mention about
labor mobility as an issue to be discussed with external partners is
glaring.

Chapter 13: General and Final Provisions

36. It is provided that the “Charter shall be subject to ratification by
all ASEAN member states in accordance with their respective internal
procedure”. This is short of what the Second and Third ASEAN Civil Society
Conference (ACSC-II and III) called for, which is ratification by popular
referendum.

37. The provision on Review (Article 50) only gives the requisite timeline
(of five years after the Charter enters into force) but no clear procedures
for its conduct, including who will be involved and how extensive such
involvement would be.

The Solidarity for Asian Peoples’ Advocacies (SAPA) is an open platform for consultation, cooperation and coordination among and between Asian social movements and civil society organizations including NGOs, people
organizations and trade unions who are engaged in action, advocacy and
lobbying at the level of inter-governmental processes and organizations.
SAPA aims to enhance cooperation among its members and partners to increase the impact and effectiveness of their engagement with inter-governmental bodies. Currently, there are four Working Groups in SAPA: Working Group on ASEAN (WG-ASEAN), Working Group on the UN Human Rights Mechanisms (WG-UNHR), Working Group on Migration and Labor (WG-ML), and Working Group on North East Asia (WG-NEA). There is also an Informal Caucus on South Asia.

The SAPA WG on ASEAN is a common platform for collective action on ASEAN
advocacy. The WG-ASEAN respects and promotes the multiplicity of
perspectives, strategies and forms employed by its individual members, as it
strives for specific unities in ASEAN-related advocacy and action.
Presently, the SAPA WG on ASEAN has more than 100 CSOs, national and
regional organizations, as members.

Further information and documents related to SAPA and SAPA WG on ASEAN
activities may be downloaded from http://www.asiasapa.org
.

For more information, please contact the SAPA WG on ASEAN Focal Points:

Corinna Lopa, South East Asian Committee for Advocacy, clopa@seaca.net,
+63-928-5025685

Anselmo Lee, FORUM-ASIA, Anselmo@forum-asia.org, +66-81-8689178

For more information on the SAPA WG on ASEAN’s engagement of the ASEAN
Charter process, please contact:

Jenina Joy Chavez, Focus on the Global South, j.chavez@focusweb.org,
+63-918-9016716

Alexander Chandra, Institute of Global Justice, alex@globaljust.org,
+62-817-790440

Workshop organised during World Social Forum in Belem

31 January 2009

Introduction

The global financial system is unravelling at great speed. This is happening in the midst of a multiplicity of interlinked crises in relation to food, climate change and energy arising from the workings of the currently dominant global neo-liberal model. The failure of this economic model has been forcefully made evident. More than two decades of privatisation, liberalization and deregulation in many countries in Asia, Africa and Latin America have had devastating effects on industrial and agricultural capacities, formal sector employment, independent livelihoods and the environment. Despite the intensity of the crisis a ‘business as usual’ agenda is being pursued in the US and EU Free Trade Agreements (FTAs) and the Economic Partnership Agreements (EPAs) which is dis-integrating the existing and emerging regions of the South.

Finding solutions to the global crises has now become the major concern across the globe. This workshop will highlight the debate around the idea of ‘de-globalisation’ and the challenges and possibilities of moving forward in the concretisation of regional alternatives to the economic, financial, food, climate and energy crises and instead place the interest of people and the planet at its center. It will aim to encourage cross-fertilisation from experiences on regional alternatives among social movements and civil society organisations from Asia, Africa, Latin America and Europe.

PROGRAMME

The Global Crises & De-Globalisation
Walden Bello – Focus on the Global South & Freedom from Debt Coalition

Regional responses to the crisis: experiences & challenges from Africa
Michelle Pressend – BioWatch & Trade Strategy Group, South Africa

Regional responses to the crisis: experiences & challenges from South East Asia region: ASEAN
Joy Chavez – Focus on the Global South & SAPA, Philippines

Regional responses to the crisis: experiences & challenges from South Asia region: SAARC
Asfar Jafri – Focus on the Global South & People’s SAARC, India

Regional responses to the crisis: experiences & challenges from Latin America
Graciela Rodriguez – IGTN, Brazil

Northern Counter-Strategies – including regional responses to the crisis: experiences & challenges from Europe
Brid Brennan -Transnational Institute, Netherlands
Thomas Wallgren – Attac Finland

Open Forum Discussion: The potential of regional alternatives and the need for cross-regional networking – focus and priorities
Gonzalo Berron – CSA/HSA
Cecilia Olivet – TNI

Moderator: Adhemar Mineiro, REBRIP – Brazil (Moderator)


Co-Convenors:

Hemispheric Social Alliance (HSA), Focus on the Global South, Transnational Institute (TNI), Third World Network-Africa, Siemenpuu (Finland) and People’s Agenda for Alternative Regionalisms (PAAR)


Read the report from Belem here

Seminario: "Crisis Emergentes: Deglobalizacion? Oportunidades y desafios para alternativas regionales (FSM, Belem)

Workshop organised during World Social Forum in Belem

31 January 2009

Introduction

The global financial system is unravelling at great speed. This is happening in the midst of a multiplicity of interlinked crises in relation to food, climate change and energy arising from the workings of the currently dominant global neo-liberal model. The failure of this economic model has been forcefully made evident. More than two decades of privatisation, liberalization and deregulation in many countries in Asia, Africa and Latin America have had devastating effects on industrial and agricultural capacities, formal sector employment, independent livelihoods and the environment. Despite the intensity of the crisis a ‘business as usual’ agenda is being pursued in the US and EU Free Trade Agreements (FTAs) and the Economic Partnership Agreements (EPAs) which is dis-integrating the existing and emerging regions of the South.

Finding solutions to the global crises has now become the major concern across the globe. This workshop will highlight the debate around the idea of ‘de-globalisation’ and the challenges and possibilities of moving forward in the concretisation of regional alternatives to the economic, financial, food, climate and energy crises and instead place the interest of people and the planet at its center. It will aim to encourage cross-fertilisation from experiences on regional alternatives among social movements and civil society organisations from Asia, Africa, Latin America and Europe.

PROGRAMME

The Global Crises & De-Globalisation
Walden Bello – Focus on the Global South & Freedom from Debt Coalition

Regional responses to the crisis: experiences & challenges from Africa
Michelle Pressend – BioWatch & Trade Strategy Group, South Africa

Regional responses to the crisis: experiences & challenges from South East Asia region: ASEAN
Joy Chavez – Focus on the Global South & SAPA, Philippines

Regional responses to the crisis: experiences & challenges from South Asia region: SAARC
Asfar Jafri – Focus on the Global South & People’s SAARC, India

Regional responses to the crisis: experiences & challenges from Latin America
Graciela Rodriguez – IGTN, Brazil

Northern Counter-Strategies – including regional responses to the crisis: experiences & challenges from Europe
Brid Brennan -Transnational Institute, Netherlands
Thomas Wallgren – Attac Finland

Open Forum Discussion: The potential of regional alternatives and the need for cross-regional networking – focus and priorities
Gonzalo Berron – CSA/HSA
Cecilia Olivet – TNI

Moderator: Adhemar Mineiro, REBRIP – Brazil (Moderator)


Co-Convenors:

Transnational Institute (TNI) Hemispheric Social Alliance (HSA) Focus on the Global South, People’s Agenda for Alternative Regionalisms (PAAR)

Seminario organizado durante el  Foro Social Mundual en Belem

31 Enero de 2009

 

PROGRAMA

Crisis Globales (financiera, energética, alimentaria) y deglobalización

Walden Bello – Focus on the Global South & Freedom from Debt Coalition, Filipinas

Respuestas regionales a las crisis: experiencias y desafíos desde África

Michelle Pressend – BioWatch & Trade Strategy Group, Sudáfrica

Respuestas regionales a las crisis: experiencias desde el Sudeste de Asia: ASEAN

Joy Chavez – Focus on the Global South & SAPA, Filipinas

Respuestas regionales a las crisis: experiencias y desafíos desde Asia de Sur: SAARC

Asfar Jafri – Focus on the Global South & People’s SAARC, India

Respuestas regionales a las crisis: experiencias y desafíos desde América Latina

Graciela Rodriguez – IGTN, Brazil

Respuestas regionales a las crisis: experiencias desde Europa

Brid Brennan -Transnational Institute, Holanda

Thomas Wallgren – Attac Finlandia

Foro de Debate: El potencial de las alternativas regionales y la necesidad de las alianzas inter-regionales

Gonzalo Berron – CSA/HSA

Cecilia Olivet – TNI

Moderador: Adhemar Mineiro, REBRIP – Brasil

Co-organizadores

Alianza Social Continental (ASC), Focus on the Global South, Transnational Institute (TNI), Third World Network-Africa, Siemenpuu (Finland) and People’s Agenda for Alternative Regionalisms (PAAR)

Financing and mega projects: An interpretation of the regional South American dynamic

Adhemar S. Mineiro e Clarisse Castro

Introdução

A percepção do processo de integração representado pelo Mercosul não pode ser vista como uniforme do ponto de vista dos movimentos sociais brasileiros. De fato, pharmacy ao longo do período que vai da segunda metade dos anos 80 até a metade da primeira década deste novo século, dependendo do setor social com o qual se esteja em diálogo, view se poderá perceber estas visões diferenciadas.

 

Do ponto de vista dos movimentos sociais, o processo de integração que surge no debate ao final dos anos 80 vem dentro de um pacote de discussões que implicava debater o que fazer com os espaços de democratização que iam sendo conquistados, e ao mesmo tempo confrontar as políticas de ajuste (patrocinada especialmente pelas instituições financeiras multilaterais, como o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento) relativas ao enfrentamento da questão das dívidas externas dos países da região, que eram o centro da polêmica naquele momento. Essa não era a perspectiva dos governos, e desta forma o processo de integração foi visto com cada vez menos interesse por parte dos movimentos.

 

Da mesma forma, a predominância de uma visão liberal de integração ao longo dos anos 90, fruto de governos quase sempre também hegemonizados por esta perspectiva, e de um processo de integração guiado apenas pela reestruturação produtiva das grandes empresas transnacionais à escala mundial (e, portanto, também continental, o que envolvia pelo menos, na maior parte das vezes, os dois principais parceiros do Mercosul, Argentina e Brasil) e pela busca de oportunidades de negócios é visto como um processo hostil, e que tem como reação por parte dos movimentos sociais o seu afastamento da discussão substantiva do processo de integração em curso ou, em um caso muito específico, que é o das organizações sindicais representando trabalhadores atingidos diretamente pelo processo de reestruturação produtiva das empresas transnacionais, a tentativa de resistir e influir neste processo, negociando de alguma forma.

 

As crises sucessivas na segunda metade dos anos 90, decorrentes dos processos estruturais de liberalização financeira levados adiante nos países da região ao longo daquela década, o processo de discussão internacional sobre uma ainda maior liberalização, a partir da criação da Organização Mundial do Comércio em 1995, com, e em decorrência de, a conclusão da Rodada Uruguai de discussões do GATT, e a instalação do processo negociador para a criação da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA), com o acirramento das resistências dos movimentos sociais no nível internacional, dos quais a resistência em Seattle e a própria estruturação do Fórum Social Mundial, como evento e como processo de discussão, na seqüência, levaram a um recomeço de discussão não propriamente do processo real de negociação que se travava no Mercosul, mas especialmente da possibilidade de colocar este processo de integração regional como uma alternativa, com a alteração de sua natureza, dos processos de integração então em curso.

 

Essa ainda é a situação hoje, embora o novo governo instalado a partir de 2003 tenha tornado o processo de discussão mais transparente, e aberto alguns canais para a rediscussão da essência do processo de integração. O próprio funcionamento do Mercosul como bloco nos processos de negociação como o para a eventual criação da ALCA, ou as negociações bi-regionais com a União Européia forçam as instâncias oficiais a pensarem mais o próprio processo de integração do Mercosul dentro de uma perspectiva que é a de acertos sobre o desenvolvimento regional.

Apesar de insuficiente, esse processo de discussão novo pode significar finalmente pensar a integração dos quatro países do bloco, e talvez outros, dentro de uma perspectiva alternativa que possa ajudar a superar os entraves historicamente desenhados por países que nunca conseguiram pensar a alternativa da integração como uma efetiva possibilidade de futuro (vale ressaltar que no momento em que nos encontramos, o Mercosul é talvez a mais estruturada dessas possibilidades, mas existem discussões sobre a constituição da Comunidade Sul-Americana de Nações, ou a proposta da Alternativa Bolivariana para as Américas – ALBA -, patrocinada pelo governo venezuelano e também por vários movimentos sociais de todo continente, ou ainda, fora do âmbito dos estados nacionais da região, a proposta de integração desenhada na “Alternativa para as Américas”, no bojo da reflexão das entidades e movimentos sociais da região participantes da Aliança Social Continental(1). Isto porque as estratégias de desenvolvimento oficiais até aqui levadas adiante envolveram uma estratégia de integração primário-exportadora, como fornecedor de insumos minerais ou agropecuários aos países capitalistas centrais, como no período pré-2a. Guerra Mundial, ou estratégias mais autárquicas, buscando a constituição de uma indústria nacional através de processos também nacionais de substituição de importações, e portanto, naturalmente endógenos e entrópicos nestes casos. Em ambas as estratégias, a integração não é uma alternativa, mas ao contrário, ambos os modelos se confrontam com a possibilidade da integração, pois os países são concorrentes por mercados, no primeiro caso, ou por capitais, no segundo caso, e portanto, existem nestas duas situações conflitos efetivos de interesses entre eles que, mais que impedir a integração como alternativa, a colocam como contradição.

 

Neste momento, portanto, se o objetivo é pensar a integração como possibilidade e como alternativa, é importante buscar escapar de seguir trabalhando com a lógica que um modelo de liberalização financeira, ainda predominante nos países da região, coloca, especialmente a partir das crises da segunda metade dos anos 90, da constituição de saldos comerciais como um elemento de obtenção de divisas para seguir honrando dívidas e garantias à livre movimentação dos capitais. Esse tipo de modelo segue acirrando o conflito entre os países (que, nesta situação, passam a competidores por divisas), fazendo com que a integração seja vista apenas do ponto de vista possibilidade de obtenção destas mesmas divisas (2), acirrando o conflito e forçando novamente um modelo contraditório com a própria integração em si.

 

Democratização e Dívida: As Discussões nos Anos 80 e a Percepção da Integração

 

Os debates que levaram à formulação da idéia recente de integração dos países do Cone Sul, na segunda metade dos anos 80, especialmente dos pontos de vista de Argentina e Brasil (3), tinham na raiz dois elementos aparentemente centrais: a reestruturação produtiva dos grandes grupos transnacionais atuando na região e a busca destas empresas por ganhos de localização e escala e, de outro lado e não menos importante, a busca dos governos novos, que representavam forças do processo de redemocratização da região, em curso neste período, por alternativas de desenvolvimento que pudessem se viabilizar como um caminho diverso das políticas de ajuste estrutural ao pagamento da dívida externa que se constituíam como situação padrão na condução macroeconômica desses países ao longo daquela década, a partir da elevação das taxas de juros por parte dos EUA, com o Governo Reagan (4), e a escassez de capitais que se seguiu no cenário financeiro internacional para a renegociação de dívidas magnificadas por políticas de endividamento externo levadas adiante nos anos 70 por governos ditatoriais na região.

 

Deixando de lado a primeira destas raízes, pois embora com capacidade de influenciar pesadamente a condução de políticas de Estado, o centro de seu processo de definição estava fora da região, nas matrizes destes grupos, é importante centrar a discussão aqui no segundo elemento, a busca por uma alternativa de desenvolvimento.

 

Isso envolve retornar à dura discussão ao longo dos anos 80, quando de um lado o conjunto dos movimentos sociais organizados, e muitas vezes setores dos próprios governos, se confrontavam com as limitações que as políticas de ajuste ao pagamento das dívidas externas acordadas entre os governos da região e as instituições financeiras multilaterais, FMI e Banco Mundial à frente. Esta situação, com elementos comuns nos dois principais parceiros do Mercosul, dá o pano de fundo não apenas para a busca de alternativas, mas também para uma aproximação nova entre os movimentos organizados nos dois países em busca de forças para enfrentar a visão de ajuste via geração de mega-superávits no comércio exterior e compressão do mercado interno patrocinada pelas instituições financeiras multilaterais.

 

Para os movimentos sociais, entender a dinâmica do endividamento (resultantes de processos diferentes em Brasil e Argentina), mas sobretudo a crise da dívida externa, explicitada a partir da moratória mexicana no começo da década e o início das negociações dos acordos referentes à dívida externa com as instituições financeiras multilaterais e a estruturação das chamadas “políticas de ajuste estrutural” leva a uma aproximação face à hostilidade que estas políticas representavam às demandas democráticas apresentadas pelos movimentos sociais ao longo dos processos de redemocratização. Na dinâmica do endividamento em si muitas vezes se apresentavam grandes projetos, com enormes conseqüências negativas sobre o meio-ambiente e na grande maioria das vezes sobre as populações por eles diretamente atingidas, patrocinados especialmente por instituições multilaterais de fomento, como o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento, que funcionavam para ir criando canais de aproximação entre os movimentos sociais dos vários países (defensores do meio ambiente, atingidos por barragens, populações indígenas e outras populações tradicionais, pequena agricultura familiar, entre outros). Por outro lado, os parâmetros das chamadas “políticas de ajuste” acordadas com aquelas instituições previam cortes orçamentários e limitadores ao crescimento econômico, quando não resultavam (como na maioria das vezes) em estagnação e processos recessivos, com enormes efeitos negativos sobre a maioria das populações, em especial os trabalhadores menos organizados, os idosos, os jovens e as mulheres (vale lembrar que uma das conseqüências das políticas de ajuste foi a explosão inflacionária em vários países). Assim, o entendimento dos processos e a resistência organizada dos movimentos sociais em cada país às políticas de ajuste ajudavam a criar laços entre as organizações sociais dos vários países da região.

 

Para os governos de Argentina e Brasil na segunda metade dos anos 80 (governos dos presidentes Alfonsín, na Argentina, e Sarney, no Brasil), estruturados com o processo de redemocratização de seus países, a tentativa de atuação em conjunto no primeiro momento, e de integração, no momento seguinte, aparecia como uma forma de resolver a um dilema que era colocado e discutido na época: o de que a democratização deveria poder representar uma melhoria geral e efetiva das condições de vida das populações desses países, ou poderia rapidamente ver erodida a sua base social frente a uma população que se organizava e apresentava demandas. Do ponto de vista dos governos, a integração aparecia então como uma possibilidade de alternativa (como se apresentaram em algum momento planos heterodoxos de estabilização nos dois países, como o Plano Austral, na Argentina, e o Plano Cruzado, no Brasil) ou pura e simplesmente como uma forma de aumentar o poder de barganha dos países frente aos comitês negociadores formados pelos seus credores (a idéia de um cartel de devedores, nunca efetivado, para poder negociar com o cartel dos credores, este efetivo e capitaneado pelos principais bancos, era uma idéia que vez por outra voltava a tona, e exigia uma confiança e capacidade de articulação de interesses e diplomática que inexistia no período).

 

Assim, e de forma insipiente, o processo de integração entre Argentina e Brasil, e que depois veria a ele incorporados Uruguai e Paraguai, aparecia como uma possibilidade de uma maior articulação defensiva, mas também de construção de um novo tipo de desenvolvimento (que fosse na sua essência a contraposição às políticas de ajuste), com crescimento econômico e políticas macroeconômicas articuladas entre os quatro países, mas também como uma possibilidade de associar a essas políticas os objetivos de democracia, participação, redução de desigualdades, e sustentabilidade social e ambiental, que estavam na essência do conflito entre os movimentos sociais e as políticas de ajuste, e por isso essa possibilidade empolgou os movimentos organizados dos quatro países da região.

 

As Relações entre os Movimentos Sociais e entre estes e o Arcabouço Institucional

 

Vistos alguns dos aspectos que caracterizam e dificultam o processo de integração entre Mercosul, vale apresentar a relação entre os movimentos sociais, organizações da sociedade civil e sindicatos dos países membros, e também apresentar a relação destes atores através da estrutura organizacional que foi sendo definida no Mercosul. Neste sentido, destaca-se o papel do Movimento Sindical, do Movimento de Mulheres, do Movimento dos Trabalhadores Rurais, das Organizações Não-Governamentais que lidam principalmente com temas fronteiriços, além da importância das Redes e Articulações da sociedade civil focadas no livre comércio.

 

Em quase quinze anos, desde que o Tratado de Assunção foi firmado, os temas econômico-comerciais conduziram a agenda do Mercosul, colocando alguns objetivos essenciais para o processo de integração regional em segundo plano, como por exemplo, o incentivo ao desenvolvimento científico e tecnológico, preservação do meio ambiente, difusão cultural, educação e saúde. Apesar desta constatação, estabeleceram-se iniciativas e pequenos avanços foram alcançados, sobretudo em aspectos que interagem com questões fronteiriças e relacionadas ao trabalho. Tais avanços foram discutidos principalmente, no âmbito das reuniões especializadas e no Fórum Consultivo Econômico e Social (FCES) – instâncias na qual as ações participativas da sociedade civil são institucionalizadas.

 

O movimento sindical, com destaque para a Coordenadora de Centrais Sindicais do Cone Sul (CCSCS) (5), foi fundamental para a evolução da participação da sociedade civil na estrutura do Mercosul e no debate sociolaboral dos países membros. A própria história da Coordenadora e suas reivindicações, mostram como se constituiu este processo de participação, que levando em consideração as outras esferas sociais, teve uma maior visibilidade. Desta maneira, cabe apresentar um pequeno histórico de sua formação e desenvolvimento.

 

A CCSCS foi fundada em 1986 com o objetivo de defender a democracia e formular ação conjunta contra a dívida externa. No final de 1990 define como prioridade de trabalho a necessidade de desempenhar um papel protagonista na integração econômica e social do Cone Sul. A partir de 1991 aprova em diversos encontros anuais documentos analíticos contendo importantes reivindicações, das quais podemos destacar a Criação do Subgrupo de Relações do Trabalho (e instituído pelo bloco em 1992), a adoção de uma Carta de Direitos Fundamentais para o Mercosul e a criação de um fórum de representação da sociedade civil, para fortalecer a participação desta na construção do Mercosul. Esta última reivindicação é apresentada no ano de 1994, mesma ocasião em que se apresenta o Protocolo de Ouro Preto criando o Fórum Consultivo Econômico e Social do Mercosul (FCES).

 

O FCES vai ser oficialmente instituído em 1996, mesmo ano em que, a Coordenadora, como participante ativa do Fórum, consegue incluir o Direito a Iniciativa (direito de apresentar propostas ao Grupo Mercado Comum por iniciativa própria e não apenas quando consultado) e apresentar um projeto de um instrumento de proteção aos direitos trabalhistas, que foi discutido posteriormente em forma tripartidária e aprovado como a Declaração Sociolaboral do Mercosul. Esta declaração permite uma maior visibilidade dos efeitos da integração comercial e da ação das empresas uma vez que estabelece mecanismos que podem viabilizar a negociação coletiva e um espaço de solução de conflito entre os segmentos econômicos, sociais e entre os países (6).

 

Apesar de tais conquistas serem consideradas um progresso na participação mais ativa das representações dos trabalhadores no processo de negociação do Mercosul, é preciso criar mecanismos efetivos que ampliem a influência do FCES nas definições de políticas nos setores produtivo e social. Deveriam ainda ser priorizadas as questões sociais no âmbito do arcabouço institucional do Mercosul – desta forma, seriam dados passos essenciais no sentido de contemplar o que o Tratado de Assunção menciona: o objetivo de integração seria alcançado através do desenvolvimento e a estabilização econômica com “justiça social”.

 

No que se refere à influência e participação do Fórum, chamamos à atenção para as manifestações de seus representantes nos anos que seguiram a sua criação. Estas tinham o objetivo de relembrar aos Presidentes da importância de se efetivarem as consultas, tendo em vista a finalidade e o espírito em que o Fórum foi criado: “O FCES poderá cumprir com seu papel de agente consultivo se for devidamente consultado dentro de um processo onde disponha das devidas informações e condições para a elaboração de sua Recomendação, situação que até o momento não ocorreu (Ata da VI Reunião Plenária do FCES)” (7).

 

Mesmo sem representatividade efetiva nas instâncias responsáveis pelo processo decisório no Mercosul, as organizações da sociedade civil e os movimentos sociais dos quatro países membros se articulam, elaboram declarações conjuntas e desenvolvem atividades integradas. Anualmente, são realizados diversos encontros, seminários e atividades sobre temáticas especificas dos movimentos, ou fóruns mais amplos que abarcam temas sociais gerais comuns aos quatro países do Mercosul e da América Latina como um todo. O Fórum Social Mundial, Fórum das Américas e encontro “O Mercosul que Queremos”- idealizado pelas Organizações Sindicais e Sociais do Mercosul, com destaque para a Aliança Social Continental e CCSCS – são alguns exemplos de iniciativas da sociedade civil no sentido de promoverem a integração, pensarem conjuntamente ações para enfrentarem os problemas sociais e ainda pressionarem seus governos para que suas críticas sejam ouvidas e suas reivindicações incorporadas.

 

Não há dúvidas que os tratados de integração regional – não conduzidos por uma agenda neoliberal e em favor das transnacionais – podem trazer benefícios aos povos envolvidos, porém este processo deve contar com a participação efetiva e a aceitação das sociedades. Dessa maneira a informação e a mobilização da sociedade civil dos países envolvidos são essenciais para que as cláusulas trabalhistas, sociais e democráticas incluídas nos acordos de liberalização comercial sejam cumpridas e priorizadas.

 

Os movimentos sociais da região se fortalecem no cenário em que o Mercosul se volta para uma agenda externa pautada no livre comércio. O Mercosul foi concebido dentro do princípio de integração regional aberta, não se limitando a incrementar o comércio entre os países que o integram, mas prevendo relações com os grandes blocos econômicos existentes. No ano seguinte à assinatura do Tratado de Assunção, formalizou-se o vínculo com a União Européia, através do Acordo Bilateral de Cooperação Interinstitucional, porém é somente em meados dos anos noventa que se dá ênfase à agenda externa do Mercosul.

 

As Redes, Alianças de organizações da sociedade civil e movimentos sociais surgem na segunda metade dos anos noventa como resistência aos processos de negociação em curso da ALCA e do acordo bi-regional Mercosul–União Européia e contra as políticas neoliberais impostas às sociedades. A Aliança Social Continental (ASC) pode ser citada como exemplo de integração entre diferentes tipos de organizações e movimentos sociais do continente, buscam alternativas de integração regional que vão efetivamente além das questões econômico-comerciais, que garantam os direitos dos cidadãos e sejam baseados na “implementação e coordenação de políticas nacionais e regionais de desenvolvimento econômico e inclusão social (8)”. É através da bandeira de “não aceitação de nenhum acordo que, a pretexto de promover o livre comercio, represente uma ameaça ainda maior ao meio ambiente, aos direitos humanos, a igualdade das mulheres, direitos sociais e trabalhistas” (9), que a ASC se forma e luta contra a ALCA e qualquer acordo que não representem ganhos sociais países que ela representa.

Com esta percepção, grupos de mulheres dos quatro países membros do bloco, vem conseguindo construir uma forte relação e integração entre si e em relação aos mecanismos e processos em curso do Mercosul. Foram abertas algumas portas para a participação desses grupos, mas assim como acontece com o movimento sindical, precisa-se de maior vontade política para que questões sociais passem a integrar as estratégias de desenvolvimento do bloco.

 

O movimento de mulheres pretende sensibilizar os atores sociais na luta pela garantia da cidadania e da igualdade de oportunidades entre homens e mulheres nos diferentes âmbitos de negociação do Mercosul. No contexto da liberalização comercial, trabalham as relações desiguais entre norte-sul, a divisão sexual e internacional do trabalho, e contra os interesses das corporações transnacionais.

 

Desde o ano de 1995 foram realizados seminários “Mulher e Mercosul”, onde foram apresentadas análises sobre a situação da mulher no trabalho e as legislações comparativas, realizadas propostas nas áreas legislativas, políticas públicas e especialmente para as articulações regionais. Participantes do FCES, as feministas reivindicaram sua participação nos subgrupos da Saúde; da Indústria; e do Trabalho, Emprego e Seguridade Social e conseguiram instaurar a Reunião Especializada da Mulher – na qual participam Ministras ou autoridades dos órgãos governamentais competentes em políticas para as mulheres e grupos da sociedade civil. Este ano aconteceu o seminário “Mercosul, Sociedade Civil e Direitos Humanos” que contou com a participação dos grupos feministas entre outros atores sociais na esfera institucional do Mercosul, organizado pelo Observatório de políticas de Direitos Humanos do bloco. Esses exemplos sinalizam para a existência de um caminho iniciado e que deve ser percorrido, mas que se precisa de mais iniciativas para que os objetivos sejam alcançados.

 

Outra representação, que vem trabalhando também com temas referentes aos acordos de liberalização comercial, são os movimentos que se relacionam à defesa da agricultura familiar. Tal movimento para atuar nos temas reativos ao Mercosul e ALCA, se fortalece através da articulação conjunta entre a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura, Frente Sul da Agricultura Familiar, Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, Movimento dos Pequenos Agricultores, Movimento dos Atingidos por Barragens, Movimento das Mulheres Trabalhadoras Rurais, Via Campesina, Coordenadora das Organizações dos Agricultores Familiares entre outros. Além das organizações voltadas para o tema da agricultura familiar, o movimento busca o apoio e a integração com as Centrais Sindicais e com organizações e outros movimentos da sociedade civil.

 

Fazendo frente a liderança dos interesses da grande agricultura comercial dos países do Mercosul, nas negociações dos acordos de liberalização comercial, o movimento dos agricultores familiares assumem um importante papel em defesa da segurança alimentar, reforma agrária, proteção ambiental, fortalecimento da agricultura campesina e familiar. Ainda, suas reivindicações vão em direção a um processo de integração que levem em conta a participação da sociedade civil, justiça social e o aumento da qualidade de vida das populações rurais.

 

Reconhecida a relevância deste movimento no âmbito do Mercosul, o governo brasileiro – por iniciativa do Ministério de Desenvolvimento Agrário – propôs ao Grupo de Mercado Comum (GMC) do Mercosul, a primeira sessão da Reunião Especializada de Agricultura Familiar (REAF). A reunião aconteceu em 2004 e seu objetivo foi pensar políticas específicas para a agricultura familiar e a inclusão do tema na pauta do bloco. Na segunda reunião foram recomendadas ao GMC, e estabelecidas entre os representantes, prioridades de desenvolvimento no seguro agrícola e em créditos de financiamento, e regras para a implementação de políticas comuns quanto ao tratamento especial e diferenciado da agricultura familiar. Também foi instituída a construção de uma política comum de gênero.

As reuniões especializadas constituem um importante canal de diálogo entre os governos, e a sociedade civil. Adicionando o Fórum Consultivo Econômico e Social, e alguns Subgrupos às Reuniões Especializadas, podemos considerar que estão sendo abertos canais de participação da sociedade civil na estrutura do Mercosul e que por mérito desta participação, alguns importantes logros foram conseguidos neste processo. Ainda há muito a ser considerado, mais o caminho começa a ser esboçado, faltando ainda a vontade efetiva dos governos de colocarem as questões sociais como prioridades no processo de integração.

 

Algumas Idéias Sobre Dificuldades e Possibilidades

 

Apesar da participação efetiva e da tentativa sistemática de abrir novos espaços de discussão e participação no interior do bloco, os movimentos sociais se confrontam permanentemente com uma lógica de integração centrada na visão de predomínio de aspectos não apenas econômicos, mas de uma economia dominada pela hegemonia dos interesses financeiros, onde a liberalização comercial aparece como a contraface da desregulamentação financeira, buscando pela obtenção de saldos em divisas, manter a normalidade aparente dos fluxos financeiros.

 

Se ao longo dos anos 90 isso foi explícito e defendido de forma clara pelos governos da época agora, embora ainda prevalecente, não aparece de forma tão aberta. A explicação básica para esse novo comportamento parece ser que a sucessão de crises financeiras a partir de meados da década passada levou a um comportamento muito mais pragmático dos agentes negociadores, que passavam a ter o livre comércio e a abertura não como um fim em si mesmo, como se desses processos pudesse resultar quase que automaticamente um mundo de maior eficiência e melhor funcionamento para todos, mas como a possibilidade de fazerem crescer um saldo que aparece como a única esperança de seguirem tentando manter a normalidade dos fluxos financeiros, ou diminuírem a sua vulnerabilidade face à volatilidade desses mesmos fluxos financeiros.

O processo de integração visto desta forma tem enormes dificuldades em se sustentar, posto que na sua própria busca está a raiz dos conflitos que permeiam o processo. Se no passado os estados nacionais da região competiam eventualmente por mercados para seus produtos primários, ou por capitais de investimento direto para alavancarem seus processos (nacionais) de industrialização por substituição de importações, agora competem por capitais financeiros, pela obtenção dos saldos que lhe permitam manter a tranqüilidade destes capitais e honrar seus compromissos externos com credores e aplicadores.

 

Mais do que isso, esse processo não é apenas conflitivo entre os vários países, mas conflitivo também com os movimentos sociais no interior de cada país, e de difícil capacidade de hegemonizar essas sociedades enquanto projeto de futuro em ambiente democrático (10).

Assim, a questão essencial que era capaz de sensibilizar os movimentos sociais organizados no início do processo de discussão da integração na segunda metade dos anos 80 – a capacidade de, a partir da integração, ser possível gerar uma forma alternativa de desenvolvimento, sem subordinação no cenário internacional, e capaz de ser social, regional e ambientalmente sustentável – permanece colocada para os movimentos, e sua persistência motiva uma adesão crítica e parcial aos instrumentos do processo de integração em curso. Como se viu anteriormente, a suposição aqui é que essa incapacidade de gestação de uma alternativa de desenvolvimento com estas características não é apenas uma dificuldade para o processo de integração, ela segue colocada como uma dificuldade para a efetivação da própria democracia na região.

 

Assim, do ponto de vista dos movimentos sociais, parece muito difícil discutir de forma substantiva um processo de integração com democracia e participação social, sem que temas como soberania, bem estar social, redução de desigualdades e sustentabilidade ambiental possam estar também colocados, que aparentemente é o que se nos oferece à discussão mantendo-se as premissas do modelo de integração guiado pela abertura comercial e hegemonia financeira. Discutir e avançar substancialmente no processo de integração significa, deste ponto de vista, rediscutir as próprias premissas do modelo. Ou seguir fazendo a discussão de forma crítica e parcial, como vem sendo feito até o momento presente.

 

Notas:

  1. Aliança Social Continental, “Alternativa para las Américas”, disponível em www.asc-hsa.org, com atualizações.

  2. O pensamento econômico liberal hegemônico reafirma permanentemente a convicção de que o livre comércio e o livre fluxo de capitais podem, juntos, gerar um ambiente econômico capaz de estimular o desenvolvimento e responder às demandas sociais. No entanto, não costuma responder à objeção de que o comércio não pode ser livre para países que precisam enfrentar o peso dos encargos da dívida externa e das remessas relacionadas à liberalização dos fluxos financeiros, e que obrigam à necessidade de geração de enormes superávits comerciais. Para estes, o comércio internacional acaba aparecendo como uma obrigação, e não como uma estratégia possível, uma opção. Em geral, a pressão sobre os países menos desenvolvidos é no sentido de que se integrem mais no fluxo internacional de comércio, para tornar possíveis as transferências financeiras relacionadas aos pagamentos de dívidas e outros passivos externos”. (MINEIRO, A.S., “Da Alca Light” aos Impasses de Puebla: Alca, Agricultura e Contradições”, em ActionAid Brasil e REBRIP, Negociações Comerciais Internacionais na Era Lula – criação do G-20 e embates entre o agronegócio e a agricultura familiar, Rio de Janeiro, Nov. 2004, p. 74.

  3. No âmbito oficial, vale lembrar, por exemplo, a Ata para Integração Argentino-Brasileira, de meados de 1986, que instituía o Programa de Integração e Cooperação Econômica (PICE).

  4. A taxa de juros norte-americana expressa na prime-rate passa de cerca de 7,5% em 1979 a cerca de 21% em 1982.

  5. Atualmente, representa as centrais sindicais da Argentina (CGT e CTA), do Brasil (CGT, CUT e FS), do Chile (CUT), do Paraguai (CUT) e do Uruguai (PIT/ CNT).

  6. CASTRO VIEIRA, J de. Dinâmica Polieconômica do Mercosul, frente à Globalização. Tese de Doutorado. Brasília, UNB/Centro de Pesquisa e Pós Graduação sobre América Latina e o Caribe, 2001.

  7. Apud WANDERLEY, L. E. W., “Mercosul e Sociedade Civil”. São Paulo em Perspectiva, 16(1): 67-73, 2002.

  8. MELLO, F. (org.), “Fórum Continental: atores sociais e políticos nos processos de integração”. São Paulo, 2000.

  9. Idem.

  10. “Outra hipótese central baseia-se na proposição de que sem a resolução da questão social o processo de integração regional padece de substantividade e a democracia não se sustenta. Partindo da concepção dominante que desvincula o plano econômico do político e social, que cogita em crescimento econômico na lógica do mercado e ignora o desenvolvimento humano e sustentável, que contrapõe os atores tecnoburocratas e os político-sociais, que leva os governantes e setores empresariais, em geral, a descurarem do social, encarando-o como algo subordinado ou efeito automático do econômico, que usa o social como tema retórico, não há uma preocupação verdadeira no encaminhamento das questões sociais. Daí os embates permanentes com trabalhadores organizados e crises sucessivas nos países do Bloco, nos quais as condições sociais existentes são de extrema perversidade e vulnerabilidade.”, WANDERLEY (2002), op. cit:. 67.

By Ricardo Verdum (INESC)

This publication is focused on the South American financial architecture and its relationship with the execution of large physical infrastructure projects being implemented in the region. It has been conceived as a result of the perception that we are facing a key moment for the promotion of a new critical effort of analysis and interpretation of what is taking place in the region.
The articles making up this publication show quite a different scenario from the one that brought about the models of analysis developed in the 1980s and 1990s, buy mainly focused on the action of the  International Bank for Reconstruction and Development (IBRD – World Bank) and the Inter-American Development Bank (IDB). New actors and financial projects have emerged and are currently as important or more so than those ones in what regards to financing megaprojects.


Download Full PDF